Turismo

A Montanha de 7 Cores que Atrai Multidões de Turistas ao Peru

Vinicunca 2

Cerca de 100 Km a sudeste de Cusco, no Peru, existe um arco-íris em forma de montanha. É a Montanha das Sete Cores, também conhecida como Vinicunca ou Arco-íris, situada na Cordilheira do Vilcanota, 5,2 mil metros acima do nível do mar, no distrito de Pitumarca.

Suas encostas e cumes são decorados por franjas em tons intensos de fúcsia, turquesa, roxo e dourado. Desde 2016, o espetáculo visual que a montanha proporciona vem atraindo visitantes, disse à BBC News a funcionária da secretaria de Turismo de Pitumarca, Haydee Pacheco.

Segundo a mídia local, o número de turistas subiu de algumas dezenas a cerca de 1 mil por dia – isso apesar do frio e da grande altitude.

Impulsionado pelas redes sociais, o crescimento na popularidade da Montanha das Sete Cores fez com que ela fosse incluída nos rankings internacionais de atrações turísticas. Em agosto de 2017, por exemplo, a Vinicunca apareceu na lista dos cem lugares que você deve conhecer antes de morrer, compilada pelo site Business Insider. A explosão no turismo local é recente, mas a história da montanha e de suas lindas cores começou há milhões de anos.

Oxidação de minerais

As cores que decoram as encostas da montanha resultam de “uma história geológica complexa, com sedimentos marinhos, lacustres e fluviais”, de acordo com um relatório do Escritório de Paisagismo Cultural da Diretoria de Cultura de Cusco.

Esses sedimentos, transportados pela água que antes cobria todo o lugar, datam dos períodos Terciário e Quaternário, ou seja, de 65 milhões até 2 milhões de anos atrás. Ao longo do tempo, os sedimentos foram formando camadas (com grãos de tamanhos diferentes) que hoje compõem as franjas coloridas.

O movimento das placas tectônicas da área elevou esses sedimentos até que se transformassem no que hoje é a montanha. Aos poucos, as diferentes camadas foram adquirindo suas cores chamativas. Elas resultam da oxidação dos diferentes minerais – em virtude da umidade da área – e também da erosão dos mesmos. Foi o que explicou à BBC News o geólogo César Muñoz, membro da Sociedade Geológica do Peru (SGP).

Com base em um estudo do Escritório de Paisagismo Cultural e em suas próprias pesquisas, Muñoz explicou a composição de cada uma das camadas, de acordo com a cor:

– Rosa ou fúcsia: mescla de argila vermelha, lama e areia.

– Branco: arenito (areia de quartzo) e calcário.

– Roxo ou lavanda: marga (mistura de argila e carbonato de cálcio) e silicatos.

– Vermelho: argilitos e argilas.

– Verde: argilas ricas em minerais ferromagnesianos (mistura de ferro e magnésio) e óxido de cobre.

– Castanho amarelado, mostarda ou dourado: limonites, arenitos calcários ricos em minerais sulfurosos (combinados com enxofre).

Fabián Drenkhan, pesquisador do Instituto de Ciências da Natureza da Pontificia Universidade Católica do Peru, disse à BBC News que essas misturas também contêm óxidos de ferro, geralmente de cor avermelhada.

Vinicunca 1

Divulgação pelas redes sociais

Mas, se essas cores chamativas já decoram a montanha há milhões de anos, por que ela só ficou famosa recentemente? Artigos publicados pela mídia peruana e internacional sugerem que Vinicunca teria sido descoberta porque mudanças climáticas teriam derretido a neve que a cobria.

No entanto, os geólogos consultados pela reportagem dizem não estar absolutamente certos disso. Juan Carlos Gómez, do Instituto Geofísico do Peru (IGP), disse que a montanha estava apenas parcialmente coberta de gelo e que recebia neve temporariamente até o início dos anos 1990.

Fabián Drenkhan, por sua vez, disse não acreditar que o cume tenha sido uma geleira nos últimos anos ou décadas. “Não tenho evidências do que exatamente aconteceu nessa montanha e teria muita cautela em afirmar (que a mudança climática deixou Vinicunca descoberta). Mas, sim, pode-se dizer que, nos arredores, houve um derretimento glacial bastante forte”, disse Dernkhan.

O povo de Pitumarca diz que não houve neve nos últimos 70 anos, segundo Haydee Pacheco, da secretaria de Turismo. Pacheco explica que a montanha ganhou popularidade graças aos turistas que passam por ali a caminho de Ausangate, um monte sagrado para os cusquenhos. A revista colombiana Semana atribui o sucesso de Vinicunca à divulgação feita pelos usuários do Instagram e do Facebook, que atraiu multidões de turistas.

Fonte: BBC Brasil

Governo do Estado, Turismo

Governo do Estado Contrata Holandesa Para Dizer ao Brasileiro Que Venha ao RN

Caras

O Governo do Rio Grande do Norte e suas quebras de paradigmas. A Secretaria Estadual de Turismo – SETUR, a EMPROTUR e o trade turístico, anunciam que trarão a equipe da Revista Caras, comandada por Sabrina Parlatore, cantora, ex-VJ, e modelo para visitar o estado. Até aí tudo bem, é comum de várias gestões trazer programas, revistas, novelas, para divulgação do destino RN.

1527267530656621868913.jpg

A parte mais interessante é a contratação da Digital Influencer holandesa Nienke Helthuis, que tem no YouTube 2 Milhões 831 mil de inscritos, tem no Instagram 662 mil seguidores e no Twitter 79,6 mil seguidores. Ela virá, por conta do Governo do Estado via empréstimo ao Banco Mundial (novamente), e fará conteúdos para o público brasileiro. Além disso, Nienke participará da Mostra Viajar, no início de junho, em São Paulo, e estará no stand do RN, recebendo os visitantes.

2018-05-25_14-50-01

Ou seja, uma holandesa (sem preconceito!) dirá ao brasileiro como é bacana vir ao Rio Grande do Norte, como foi o período dela nas cidades parceiras. Certamente ela não andará por aí por conta própria, como os turistas comuns, afinal não se pode arriscar que um investimento passe pelo medo e o constragimento de ter um celular roubado, ou ouça sobre o medo de quem mora no RN. Isso é o RN, nunca decepciona e quebra a banca negativamente.

Turismo

Air France-KLM Oferecerá 44 voos Semanais Para o Brasil, e seis serão para Fortaleza

Aeroporto FOR

O Grupo Air France-KLM terá em 2018 a maior operação de sua história em território brasileiro, com 44 voos por semana. Trata-se de um aumento de 26% em relação ao cenário atual. A partir de 3 de maio, serão cinco voos semanais para Fortaleza. E em outubro a capital cearense ganha mais uma frequência, passando para seis.

O Rio de Janeiro terá outras três frequências adicionais também em outubro. A oferta anual de assentos disponíveis nestas rotas excederá a marca de 1,3 milhão, outro recorde para o Grupo Air France-KLM.

“O lançamento do Hub Nordeste em Fortaleza com a Gol, aeronaves maiores operando em São Paulo e o aumento da oferta e aeronaves mais modernas no Rio de Janeiro são parte desse plano de expansão no país e nos levaram a atingir essa operação recorde no Brasil”, afirma Jean-Marc Pouchol, diretor geral Air France KLM para a América do Sul.

A Business da Air France e a World Business Class da KLM oferecem um dos assentos mais espaçosos do mercado, que viram camas e oferecem serviços dignos de uma experiência em restaurante Michelin, com atendimento premiado

Para Fortaleza, a partir de maio, serão duas frequências de Paris e três de Amsterdã. As vendas iniciaram tão bem que a partir de 31 de outubro a Air France (operada pela Joon) terá mais um voo para a capital cearense, totalizando seis voos semanais.

Os clientes do Grupo Air France-KLM têm acesso a uma malha aérea de 314 destinos em 116 países. Tal fato possibilita que o passageiro, seja nos sites das companhias, seja com o agente de viagens de preferência, escolha entre sair do Brasil com a Air France e voltar com a KLM, e vice-versa.

Outro fator a ser levado em conta no momento da compra é a possibilidade de o cliente fazer paradas grátis em Paris e Amsterdã na ida e na volta, devido ao acordo entre as companhias. Desta forma poderá conhecer três destinos pelo preço de um.

Do Blog: E o RN se orgulhando de um resultado, comparado com os vizinhos, pífios e HUBs que nunca chegam.

Fonte: Tribuna do Norte eTurismo

Turismo

Nova Identidade do RN

O Rio Grande do Norte tem por vocação o turismo, com suas praias, serras e pelas possibilidades de aventura por todo seu território. O governo do estado lança amanhã, 13, no Centro de Convenções, a partir das 18 horas, uma nova identidade turística, o “Tudo Começa Aqui”, que foi elaborada e estudada por uma companhia de marketing intenacional, e segundo o release, não dá para identificar essa empresa e nem o valor pago por esse estudo e eleboração.

Pois bem, diz que o Plano Estratégico e de Marketing do Turismo foi elaborado por um ano e meio, mas não faz entender, e o release não deixa claro a razão pela qual “Tudo Começa Aqui”. Talvez seja porque há versões que os portugueses desembarcaram primeiro no RN e depois na Bahia. Isso é apenas uma suposição, a identidade pode ter sido inspirada até no livro Tudo Começa Aqui, de Edivânia Freitas, que fala sobre os sonhadores e alcançar sonhos, discurso normal desta gestão.

A interiorização do turismo é uma necessidade identificada há muito anos, e talvez, quem sabe agora, com os diversos empréstimos feitos ao Banco Mundial, através do Governo Cidadão (antigo RN Sustentável) a ideia consiga ser executada. O evento contará com a presença do super secretário Wagner Araújo, que tem sido o nome mais presente nesta gestão de uns meses para cá.

Vê-se claramente que a interiorização do turismo significa para os gestores do estado pouco apoio para Natal, ou nenhum, o que é uma pena, porque um bom e comprometido gestor não olha quem ocupa a cadeira do Executivo, mas o benefício do povo que aqui mora. É muito cômodo cobrar de Natal, numa crise não muito diferente do estado (mas com folha de pagamento em dia), que participe de feiras e tenha stands, tendo em vista que o Governo Cidadão tem sido uma mão na roda para diversas tentativas de ação desta atual gestão. Pelo menos o Governo Cidadão garante boas condições para os representantes da SETUR, enquanto o governo garante as diárias. As únicas perguntas que ficam são: o valor, até agora desses, empréstimos sem fim; como será pago, quando será pago e quem vai pagar a conta total desses valores.

Isso é o Rio Grande do Norte, e se tudo começa aqui do jeito que está hoje, talvez seja melhor nem começar.