Esporte, Futebol, Russia 2018

A Lista, O Talento, Le Bleus e Repeteco 20 Anos Depois

Mbappé
Mbappé

E lá se vão 20 anos do primeiro título mundial de futebol da França. Todo brasileiro lembra daquela final arrasadora da França x Brasil, a convulsão de Ronaldo, a quase entrada de Edmundo, a apatia do Brasil em campo, e Zidane fazendo dois gols quase iguais, e um de Petit para fazer sofrer mais. Uma grande festa francesa em Paris. Hoje a França entrou com seu uniforme número 01, toda de azul.

Uniforme

 

Agora, um dia após a comemoração da Queda da Bastilha (14 de Julho 1789) a França está em uma final, em que seu técnico, Didier Deschamps (que ergueu a Taça do Mundo em 1998), é o terceiro da história das Copas a conseguir ser campeão como jogador e depois como técnico, após o brasileiro Zagallo e o alemão Beckenbauer.

Hoje a França tem uma seleção multicultural em um momento que muito se discute, na Europa, como reduzir a enorme quantidade de imigrantes que chegam no continente diariamente. O aspecto multicultural da seleção francesa de futebol deixou de ser colocado em primeiro plano nesta Copa do Mundo, como foi em 1998, destacando o argelino francês Zinedine Zidane, no sentido de serem uma nação só, apesar das diferenças, e não apenas porque deixou de ser novidade, mas talvez porque se tornou comum em vários países da Europa. São 17 nações envolvidas (Há Franceses e descendentes de Espanha, Filipinas, Mali, Mauritânia, Senegal, Argélia, Itália, República Democrática do Congo, Haiti, Angola, Camarões, Guiné, Marrocos, Togo e Martinica e Guadalupe), mas desses, apenas dois jogadores nasceram fora da França, o goleiro Steve Mandanda, do Congo, e zagueiro Samuel Umtiti, de Camarões.

A França, claramente favorita, leva sua segunda Copa do Mundo com o jovem Mbappé, de 19 anos, jogando como titular e confirmando ser a realidade de um grande talento do país. Junto com ele, a seleção francesas trouxe importantes nomes como Griezmann, Kanté, Lloris, Pogba, Umtiti, Matuidi, Giroud, Fekir, Dembélé, Rami, Rabiot. Um grupo que já era um dos favoritos antes de começar a Copa e foi a destruidora de seleções sul-americanas, começou jogando contra a Austrália, 2 x 1; França 1 x 0 Peru; França 0 x 0 Dinarmarca; França 4 x 3 Argentina; França 2 x 0 Uruguai; França 1 x 0 Bélgica. E hoje, Allez le Bleus!
Abaixo, o que dizem ter vazado do novo uniforme francês bi-campeão mundial feito pela Nike.

França duas estrelas

Política, Russia 2018

Kolinda, a “Presidente-Torcedora nº1” da Croácia Que Está Bombando nas Redes

Kolinda 3

Semifinalista da Copa do Mundo, a Croácia possui cerca de 4 milhões de habitantes. Dentre todas essas pessoas, uma torcedora em particular tem se destacado neste Mundial e dado o que falar nas redes sociais: Kolinda Grabar-Kitarovic, nada menos que a presidente do país. Nenhuma chefe de estado se destacou tanto neste mundial quanto Kolinda. Nem mesmo o presidente da Rússia, Vladmir Putin.

Apaixonada por futebol, a mandatária de 50 anos acompanhou todos os jogos da seleção croata in loco. Na fase de grupos, trocou o protocolo das tribunas pelas arquibancadas. Devidamente vestida com o uniforme da Croácia, comemorando como se fosse uma torcedora comum.

Kolinda 4 - foto perfil ojobabatundeiso
Foto: Twitter @ojobabatundeiso

Mãe de dois filhos e primeira presidente mulher do país, Kolinda ganhou a simpatia não só do povo croata, mas de muitos outros estrangeiros por seu modo de torcer e também por outros motivos. Nas redes sociais, tem sido elogiada por não usar dinheiro público para suas viagens na Rússia. Pega voos comerciais, pagos do próprio bolso, e ainda desconta de seu salário os dias não trabalhados.

Após a equipe se classificar para as semifinais, Kolinda foi até o vestiário e comemorou com os jogadores. Aliás, fez questão de cumprimentar um por um. Só na partida diante da Rússia, nas quartas de final, que Kolinda ficou junto com as demais autoridades. Diante de homens engravatados como o presidente da Fifa, Gianno Infantino, vestiu um elegante terno vermelho. Debaixo dele lá estava a camisa quadriculada do time croata.

Kolinda 2

Fonte: Globo Esporte

Futebol, Negócios, Russia 2018

Messi, CR7 e Alemanha Fora da Copa do Mundo: Entenda o Que Isso Significa Para Adidas e Nike

Camisas

As seleções de Argentina e Portugal foram eliminadas do torneio nas oitavas de final e, assim, deixaram a competição dois dos principais “garotos propaganda” que estavam na Copa e ajudavam a divulgar a Adidas e a Nike.

Artilheiros e donos de cinco troféus Bola de Ouro cada – eles se alternam na premiação desde 2008 -, tanto o argentino Messi, atacante do Barcelona, quanto Cristiano Ronaldo, jogador do Real Madrid, estão entre os jogadores mais bem pagos do mundo e veem as suas respectivas contas bancárias inflar graças aos contratos de patrocínio.

Apesar de não terem se enfrentado no Mundial na Rússia, os dois há anos rivalizam dentro e fora de campo. Mas a disputa entre não é maior que a briga entre Adidas e Nike, as duas marcas gigantes do esporte que patrocinam Messi e Cristiano Ronaldo, respectivamente.

Para as duas patrocinadoras, a Copa do Mundo é mais que vender produtos oficiais. É também uma ótima oportunidade para expor suas marcas. Isso significa que o desempenho dos atletas bancados pelas empresas e de seus respectivos times é crucial para os negócios.

Rendimento e imagem

“A maior parte da estratégia da Adidas e da Nike foca em patrocinar times e jogadores que podem sair como vencedores do torneio, na tentativa de associar o nome delas ao sucesso e ganhar o máximo de exposição para crescer no futuro”, diz o consultor de marketing esportivo Amir Somoggi.

Por trás da disputa das duas marcas está muito dinheiro. Em 2014, a Adidas declarou ter vendido cerca de US$ 2,5 bilhões em produtos relacionados ao futebol, impulsionada pelo bom desempenho de seus patrocinados na Copa do Mundo no Brasil. No mesmo ano, a Nike anunciou um aumento de 23% no lucro liquido durante a competição.

A Copa do Mundo no Brasil foi a primeira em que a Nike derrotou a Adidas na disputa por patrocínio. Dos 32 times que disputaram o Mundial em território brasileiro, 12 vestiam Nike e dez usaram Adidas. Mas, no final, foi a gigante alemã, que é parceira oficial da Fifa e responsável pelas bolas e pelos produtos oficiais da Copa do Mundo, que levou mais vantagem naquela competição já que a Argentina e a Alemanha, ambas patrocinadas pela Adidas, disputaram a final.

Desde 1998, seleções patrocinadas pela Adidas conquistaram três taças. Até o momento, a Nike só “ganhou” uma Copa, com o Brasil em 2002. Mas, na Rússia, a situação parecia estar se invertendo. A Adidas patrocina 12 times e a Nike, dez – no entanto, a empresa americana diz que 60% dos jogadores usam suas chuteiras.

De acordo com a CIES Football Observatory, que conduz pesquisas sobre futebol, 132 dos 200 jogadores mais valiosos que disputam a Copa calçam chuteiras da Nike, comparado com 59 da Adidas. A lista incluiu Cristiano Ronaldo, que assinou um contrato vitalício com a Nike no valor de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 3,8 bilhões no câmbio atual).

Exibir a marca de uma empresa no uniforme de uma seleção de um país não é barato. A Nike paga cerca de US$ 50 milhões para a Federação Francesa de Futebol por um acordo até 2026, e dezenas de milhões para a Inglaterra e o Brasil. O acordo da Alemanha com a Adidas é de US$ 58 milhões e com a Espanha, US$ 47 milhões. Já o contrato com a Argentina é bem menor: US$ 11 milhões.

Frustração alemã

A eliminação da Alemanha, ainda na fase de grupos, foi uma péssima notícia para a Adidas, que tinha visto a venda de camisas oficiais da seleção alemã disparar. Em 2002, por exemplo, a empresa vendeu 8,6 milhões de camisas e, em 2014, esse número chegou a 14,2 milhões – vendidas a um preso médio de US$ 66.

Dos 16 times que se classificaram para as oitavas, Brasil, Croácia, Inglaterra, França, Portugal vestem Nike. Já a Argentina, Bélgica, Colômbia, Japão, México, Espanha, Suécia e os donos da casa, a Rússia, usam Adidas. Por sua vez, a Puma, empresa alemã fundada pela mesma família responsável pela Adidas (para entender essa disputa vejam Adidas x Puma, Irmãos e Rivais – Rivals Forever – na Netflix), patrocina o Uruguai e a Suíça. A Dinamarca é patrocinada pela Hummel.

CR7

Com Cristiano Ronaldo fora da Copa, a Nike investe, no campo individual, as esperanças de exposição e faturamento em nomes como Neymar, o inglês Harry Kane e o francês Kylian Mbappé. Já a Adidas ficou sem muitas opções no campo individual, depois que o alemão Mesut Özil e o egípcio Mohammed Salah foram eliminados. A empresa ainda tem como patrocinados o francês Paul Pogba e o Uruguaio Luis Suárez, além do brasileiro Gabriel Jesus.

Fonte: BBC

Futebol, Russia 2018

Marcas Esportivas Fazem Parte dos Negócios em Torno da Copa do Mundo

Abertura da Copa realizada, seleções em campo, e a constatação de que realmente tudo é Business.

Ao olhar os uniformes das seleções é possível perceber novas marcas patrocinando os times, e marcas mais tradicionais perdendo espaço. Veja na imagem abaixo:

A percepção é que a PUMA perdeu representatividade na Copa do Mundo, ao mesmo tempo que Adidas e Nike cresceram. O site Footy Headlines ajudou a deixar mais claro quem está somando mais marketing e audiência na Copa do Mundo da Rússia 2018.

Futebol, Russia 2018

Cristiano Ronaldo Não Tem Tatuagens Por Um Motivo

CR

Está cada vez mais comum vermos por aí jogadores de futebol cheios de tatuagens. Mas Cristiano Ronaldo não se deixa levar pela moda e, até hoje, nunca fez um desenho sequer no corpo. A escolha do português, no entanto, nada tem a ver com questões estéticas, e sim um outro motivo. CR7 revelou, recentemente, que não tatua o corpo porque doa sangue regularmente; se o fizesse, teria de parar de praticar a boa ação.

Para quem não sabe, pessoas que tenham feito tatuagens não podem doar sangue pelo prazo de um ano. O cuidado é tomado para a prevenir a transmissão de doenças como a hepatite.

Fonte: R7 Copa

Russia 2018

Fair Play e Humor na Pré-Copa 2018

Prestes a começar, a Copa do Mundo na Rússia traz hoje o interessante, e saudável, comportamento nas redes de alguns perfis oficiais de seleções.

O perfil da Alemanha no Twitter (@DFB_Team_EN) deu boas-vindas ao Marrocos pelo seu retorno ao maior torneio de futebol do mundo dizendo “É um prazer tê-los de volta na Copa do Mundo”. E o perfil da seleção marroquina (@EnMaroc) respondeu com “Prazer compartilhado @DFB_Team_RN.”

Screenshot_20180521-185305

Screenshot_20180521-185326

A Alemanha pertence ao Grupo F, com Coréia do Sul, México e Suécia; já o Marrocos pertence ao Grupo B, com Irã, Portugal e Espanha. A Copa do Mundo da Rússia terá sua abertura dia 14 de junho, com o jogo Rússia x Arábia Saudita, em Moscou.

Russia 2018

Бразилия в России (Brasil na Russia)

Tite

Apesar de termos tomado uma goleada de 07 a 01 na Copa de 2014, no Brasil, hoje o Brasil parou novamente para ver a convocação da seleção brasileira que irá participar da Copa da Rússia 2018. Tite, a unanimidade, anunciou hoje os seus escolhidos (lembrando que Daniel Alves está fora da Copa por contusão no joelho direito).
São eles:

Goleiros: Alisson, Cássio e Ederson.

Defensores: Danilo, Pedro Geromel, Filipe Luis, Marcelo, Marquinhos, Miranda, Fagner, e Thiago Silva.

Meio-Campo: Casemiro, Fred, Fernandinho, Paulinho, Philippe Coutinho, Renato Augusto e Willian.

Atacantes: Douglas Costa, Firmino, Gabriel Jesus, Taison e Neymar Jr.

Agora que venha a Copa da Rússia!