Indústria, Meio Ambiente

Sindicato Lança Aplicativo Voltado para Coleta de Lixo Reciclável

O sindicato de Reciclagem e Descartáveis do RN – Sindrecicla lança na próxima semana o aplicativo RecicleJá, voltado para aproximar empresas recicladoras de geradores de resíduos recicláveis. O lançamento acontece no Espaço Cultural Candinha Bezerra, na Casa da Indústria, no próximo dia 16, às 8h.

Serão apresentados os recursos, benefícios e diferenciais do app RecicleJá para os usuários. O objetivo do aplicativo é conectar escolas, associações, condomínios de demais geradores de resíduos recicláveis com empresas de reciclagem.

O RecicleJá foi desenvolvido através do Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias – PROCOMPI, através do IEL/RN e já está disponível para download pelo Google Play (Android) e App Store (IOS).

Meio Ambiente

Baleia Encontrada Morta com 40 Quilos de Plástico no Estômago

Baleia

Uma baleia foi encontrada morta na sexta-feira, na costa sudeste das Filipinas, com 40 quilos de plástico no estômago, informou esta segunda-feira a imprensa local.

O cetáceo, uma baleia-bicuda-de-cuvier, apareceu na sexta-feira à beira-mar no município de Mabini, na província de Valle Compostela, tendo sido submetido a autópsia no domingo.

Entre os objetos de plástico encontrados dentro da baleia estão 16 sacos de arroz, uma lona plástica usada em plantações de banana e sacos de compras, concluiu o Departamento de Pesca e Recursos Aquáticos da província.

O biólogo marinho Darrell Blatcheley afirmou que nos dez anos em que examinou baleias e golfinhos mortos, a maioria morreu na sequência da ingestão de plástico.

Fonte: TVI24

Governo Federal, Meio Ambiente

Bolsonaro Anuncia Combate Combate à Poluição no Mar

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse, neste domingo, que o Ministério do Meio Ambiente usará uma armação de metal em formato de tubarão-baleia como símbolo de uma campanha de combate à poluição marinha. O tubarão, com 15 metros de comprimento, será preenchido com luxo retirado do mar.

“No Dia Mundial da Água, 22 de Março, o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, lançará a primeira etapa da Agenda Ambiental Urbana: Combate ao Lixo no Mar, em Santos e em Ilhabela”, escreveu o presidente, no Twitter.

Também no Twitter, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que o lançamento do programa será às 9h, em Santos, e às 14h, em Ilhabela.

Fonte: UOL Notícias

Meio Ambiente

Cientista Transforma Resíduo de Plástico em Gasolina

O plástico é onipresente em nossa sociedade. Dos produtos e embalagens que utilizamos às micropartículas que já contaminam praticamente todos os seres vivos do planeta. São cerca de oito milhões de toneladas que vão parar nos oceanos todos os anos.

Para lidar com a questão, Linda Wang, engenheira química na Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, buscou formas de dar uma nova utilidade a todo esse mundo de plástico. Mas além da produção de produtos de plástico reciclado, ela quis endereçar outro problema ambiental: os combustíveis.

Junto de sua equipe, ela desenvolveu uma forma de transformar resíduos de poliolefinas, tipo de plástico comum do qual são feitas as garrafas PET, em gasolina e diesel. “Nossa estratégia é criar uma força motriz para a reciclagem, convertendo resíduos poliolefínicos em uma ampla gama de produtos valiosos, incluindo polímeros, nafta (uma mistura de hidrocarbonetos), ou combustíveis limpos”, contou Wang.

O processo de conversão incorpora a extração seletiva e a liquefação hidrotérmica. Uma vez que o plástico é convertido em nafta, ele pode ser usado como matéria-prima para outros produtos químicos ou ainda separado em solventes especiais ou outros produtos.

Os combustíveis limpos derivados dos resíduos de poliolefina gerados a cada ano podem satisfazer 4% da demanda anual de gasolina ou diesel. “Nossa tecnologia de conversão tem o potencial de aumentar os lucros da indústria de reciclagem e reduzir o estoque de resíduos plásticos do mundo”, garantiu a engenheira.

Wang se inspirou para criar essa tecnologia depois de ler sobre a poluição dos resíduos plásticos dos oceanos, águas subterrâneas e meio ambiente. De todos os plásticos produzidos nos últimos 65 anos (8,3 bilhões de toneladas), cerca de 12% foram incinerados e apenas 9% foram reciclados. Os restantes 79% foram para aterros ou para os oceanos.

O Fórum Econômico Mundial prevê que até 2050 os oceanos reterão mais resíduos plásticos do que peixes se os resíduos continuarem sendo despejados em corpos de água.

Wang disse que espera que sua tecnologia estimule a indústria de reciclagem a reduzir a quantidade crescente de resíduos plásticos. Ela e sua equipe estão procurando investidores ou parceiros para converter plásticos em escala industrial.

Fonte: Galileu

Meio Ambiente, Prefeitura, Trânsito

URBANA Faz Operação de Verão com a STTU Conscientizando Sobre Trânsito e Limpeza Pública

A Companhia de Serviços Urbanos de Natal – URBANA passa a integrar a Operação Verão da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana – STTU, com o objetivo de prevenir e conscientizar condutores de veículos acerca de materiais que são constantemente descartados nas vias, como sacos plásticos, garrafinhas e/ou papéis, que podem desviar a atenção de condutores, o que também significa um aumento nos riscos de algum tipo de acidente no trânsito. 

O Código de Trânsito Brasileiro considera que jogar lixo na rua é uma infração média, e os condutores que forem flagrados cometendo essa prática podem ser multados. Afinal, essa conduta pode trazer riscos para quem trafega, incluindo pedestres e ciclistas. Sendo assim, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em seu Artigo 172, estabeleceu que atirar objetos e/ou substâncias nas vias públicas é uma infração. Veja:

“Art. 172. Atirar do veículo ou abandonar na via objetos ou substâncias:
Infração – média;
Penalidade – multa”.

Por ser uma infração caracterizada como média, o valor da multa é de R$ 130,16 e são gerados quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação.

Durante as sextas-feiras do verão, colaboradores da URBANA, dentro do Programa Natal Cidade Limpa e Solidária, junto com educadores de trânsito da STTU, estarão nas principais vias de acesso às praias urbanas realizando blitz e distribuindo materiais educativos, informando aos condutores de veículos os riscos ao jogar lixo nas vias públicas de Natal e a aproveitando para falar também sobre a importância de manter a cidade limpa. 

A primeira ação em conjunto acontecerá nesta sexta-feira, 25, às 08h na subida da ponte Newton Navarro, sentido zona norte.

Meio Ambiente, Tecnologia

Brasil Vai Ganhar Primeira Usina de Geração de Energia por Meio de Esgoto e Lixo

O Brasil está prestes a ganhar sua primeira usina de geração de biogás, responsável pela transformação do esgoto e de resíduos orgânicos em eletricidade. A instalação será feita no estado do Paraná.

A CS Bioenergia, empresa de geração de energia, já conta com a Licença de Operação do Instituto Ambiental do estado para operar a usina que tem capacidade de produzir 2,8 megawatts de eletricidade por meio de lixo e fornecer luz para aproximadamente duas mil residências.Estações de tratamento de esgoto e concessionárias de coleta de resíduos fornecerão matéria-prima para a geração de energia, produzindo biogás e biofertilizantes para a região. Com a iniciativa, o objetivo é que o Paraná deixe de descartar cerca de mil metros quadrados de esgoto todos os dias, além de 300 toneladas de lixo orgânico em aterros.

A inspiração para o programa veio da Europa, principalmente da Alemanha, onde mais de 14 mil plantas de geração de eletricidade já estão em andamento.

Fonte: Sustentabilidade ARISP

Meio Ambiente

A Luta da Alemanha Contra o Lixo Plástico

Svenja

A ministra alemã do Meio Ambiente, Svenja Schulze, disse não conseguir esquecer a imagem do cachalote morto. Na semana passada, Schulze escutou falar de uma baleia encontrada na Indonésia com seis quilos de plástico no estômago: 115 copos, 25 sacolas, dois chinelos e mais de mil outras peças plásticas.

Como a baleia não é um caso isolado, Schulze declarou: “Precisamos de uma virada para lidar com os resíduos de plástico”.

Cachalote

Há muito que a Alemanha vem exigindo isso em conferências e reuniões, e também foi muito bem-sucedida como “estabelecedor de agenda”, afirmou a ministra. Mas os acordos nas reuniões do G7 e do G20 não são mais suficientes para o governo alemão.

A partir de agora, o país europeu também quer ajudar de forma prática a conter o lixo plástico em todo o mundo. Para tal, o Ministério do Meio Ambiente em Berlim destinou 50 milhões de euros para os próximos dez anos.

Berlim também sabe onde o dinheiro deve ser usado. Principalmente na Ásia, encontram-se redemoinhos de material plástico nos oceanos. Grande parte desse lixo (90%) vem de dez rios – oito deles estão no continente asiático.

O rio de maior extensão é também o mais sujo: o Yangtzé corre dos planaltos do Tibete passando por megacidades, como Xangai, no Mar da China Oriental. No caminho, garrafas plásticas, lonas e sacolas acabam caindo dentro d’água – também porque não há coleta nem reciclagem de lixo local.

Nesse contexto, a Alemanha pode ajudar tais países com sua expertise. O Ministério de Schulze quer se voltar para os Estados “mais afetados”, afirmou a ministra.

Países como Índia, China e Bangladesh, onde se localizam os rios mais sujos, poderiam se beneficiar da tecnologia alemã. Eles devem ser apoiados no descarte ambientalmente correto de resíduos plásticos. Mas a Alemanha também quer dar um bom exemplo em seu próprio país.

Plano de cinco pontos

O Ministério do Meio Ambiente alemão apresentou um plano de cinco pontos para reduzir o lixo plástico no país. Schulze quer “sair da sociedade do descarte” e também mostrar ao resto do mundo como viver bem com menos plástico.

Porque, segundo Schulze: “Mesmo que não o desejemos, exportamos nossos padrões de consumo para os países emergentes e em desenvolvimento”. Os pontos incluem medidas para evitar ou reciclar resíduos plásticos:

– A Alemanha apoia a proibição em toda a União Europeia (UE) de produtos plásticos descartáveis (canudos, talheres e pratos plásticos, cotonetes).

– O Ministério do Meio Ambiente quer convencer o comércio a evitar embalagens plásticas desnecessárias (por exemplo, películas envolvendo pepinos e bananas).

– É preciso tornar ainda mais fácil dispensar garrafas d’água plásticas. Nas cidades alemãs, deve haver mais postos de reabastecimento para garrafas próprias.

– Devem ser recompensados os produtores que usem materiais reciclados em seus produtos ou embalagens fáceis de reciclar.

– Produtos de reciclagem também devem ser estimulados por meio de investimentos públicos. O plástico deve ser mantido fora do lixo orgânico.

Além da proibição estabelecida pela UE, o plano de cinco pontos não é vinculativo. Schulze continua apostando no diálogo na questão do lixo plástico. Para a deputada federal do Partido Verde Bettina Hoffmann, o plano é, portanto, uma “amarga decepção”.

Hoffmann disse sentir falta de uma “meta compulsória de prevenção de resíduos”. Em contrapartida, a ministra alemã do Meio Ambiente menciona a experiência alemã com sacos plásticos – através do diálogo, em dois anos, o consumo dessas sacolas foi reduzido em dois terços.

Proibições de sacolas na África e na Ásia

Outros países foram mais rigorosos – especialmente na África. Em Ruanda, a sacola plástica foi banida há dez anos. Com punições draconianas e forte vigilância, o Estado africano conseguiu banir esse invólucro praticamente de toda a vida cotidiana.

O Quênia e a África do Sul seguiram o exemplo da proibição das sacolas. Bangladesh também tentou: ali, embora a proibição do plástico tenha melhorado a situação, ao mesmo tempo criou um mercado negro de sacos feitos a partir do petróleo.

Mesmo que os maiores problemas do lixo plástico se encontrem na África e na Ásia, a ministra alemão do Meio Ambiente afirmou que a Europa pode assumir mais responsabilidade. “Não posso dizer que o problema do lixo marinho não tem nada a ver conosco”, disse Schulze.

Segundo a ministra, seu plano de cinco pontos é importante para a Alemanha, mas as medidas internacionais podem fazer a diferença: “O plástico no estômago do cachalote só pode ser combatido em escala global”.

Fonte: Deutsche Welle