Economia

China convoca empresas de tecnologia estrangeiras após veto a vendas da Huawei

A China convocou empresas globais de tecnologia para conversas na semana passada, após a proibição dos Estados Unidos a vendas de tecnologia à chinesa Huawei Technologies, disseram duas pessoas familiarizadas com o tema à Reuters neste domingo.

A suspensão da Huawei, maior fabricante do mundo de equipamentos para redes de telecomunicações, proíbe empresas dos EUA de fornecer à empresa muitos produtos e serviços devido ao que Washington afirma serem preocupações com segurança nacional, uma medida potencialmente danosa que rapidamente aumentou tensões comerciais entre EUA e China.

A Huawei nega que seus equipamentos representem uma ameaça à segurança.

Pouco depois, Pequim anunciou que divulgaria sua própria lista de entidades estrangeiras “não confiáveis”. O país também sugeriu que irá limitar o fornecimento de terras raras aos EUA.

Uma pessoa na gigante norte-americana de softwares Microsoft disse que o encontro da companhia com autoridades chinesas não foi um alerta direto, mas afirmou que foi deixado claro para a empresa que cumprir com as proibições dos EUA provavelmente levaria a novas complicações para todos os participantes do setor.

A companhia foi solicitada a não adotar medidas precipitadas ou infundadas antes que a situação seja compreendida inteiramente, acrescentando que o tom foi conciliatório.

A Microsoft não quis comentar.

As reuniões, lideradas pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reformas (NDRC, na sigla em inglês) da China, foram noticiadas primeiramente pelo New York Times. Segundo o jornal, grandes empresas estrangeiras de tecnologia foram alertadas a não cumprir a proibição dos EUA às vendas de tecnologia norte-americana para empresas chinesas, sob risco de poderem enfrentar “consequências terríveis”.

A NRDC não respondeu imediatamente a um pedido de comentário enviado pela Reuters por fax.

Não é incomum que a China convoque representantes de empresas domésticas e estrangeiras, às vezes em grupos, para expor suas visões.

Uma pessoa de uma outra companhia de tecnologia dos EUA na China que foi informada por colegas sobre a participação da empresa na reunião disse à Reuters que o tom foi “muito mais ameno” do que o esperado.

“Nenhuma menção à Huawei. Nenhum ultimato. Só pediram para permanecer no país, contribuir para uma negociação em que ambos os lados ganham”, disse a pessoa, que não quis ser identificada por nome ou empresa devido à sensibilidade do tema.

“Eu acho que eles percebem que ainda precisam de tecnologias e produtos dos EUA por ora; a auto-suficiência vai levar um bom tempo, e só depois eles podem nos expulsar”, disse a pessoa.

O New York Times publicou que outras companhias convocadas para reuniões na terça e quarta-feira da semana passada incluíam a fabricante de computadores dos EUA Dell Technologies, as sul-coreanas Samsung Electronics [005930.KS] e SK Hynix Inc [000660.KS], e a desenvolvedora de chips britânica ARM, que no mês passado suspendeu o fornecimento à Huawei.

Samsung e SK Hynix não quiseram comentar. A Dell não respondeu de imediato a um pedido de comentário enviado por email neste domingo, enquanto um porta-voz da ARM não pôde ser contatado imediatamente.

Fonte: Reuters

Economia

Conselho Nacional de Política Energética Quer Fomentar Livre Concorrência no Abastecimento de Combustíveis

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou, hoje (4), uma resolução para fomentar a livre concorrência na atividade de abastecimento de combustível no Brasil, por meio do estímulo à entrada de novos agentes econômicos. A ideia é, por meio de mais espaço para empresas concorrentes, estimular mais investimentos e, em consequência, empregos no país.

A fim de viabilizar esse processo, o conselho definiu um prazo de 180 dias para que algumas metas sejam cumpridas por autoridades do setor. “Ao Ministério da Economia caberá avaliar a implementação da monofasia tributária para a livre concorrência”, disse, por meio de nota o CNPE, após a reunião de hoje (4), no Ministério de Minas e Energia.

Também conhecida por tributação concentrada, a tributação monofásica é um mecanismo similar à substituição tributária, no sentido de atribuir a um determinado contribuinte a responsabilidade pelo tributo de toda uma cadeia de produto ou serviço.

Quanto à venda direta de etanol, segundo o CNPE, é necessário, antes, a aprovação de uma lei que estabeleça a monofasia tributária federal.

Ainda segundo a resolução aprovada hoje, caberá ao Ministério de Minas e Energia preparar estudos sobre modelos de negócios e arranjos societários entre agentes regulados, de forma a subsidiar a formulação de medidas voltadas para a ampliação da competitividade do setor, bem como a articulação, junto aos órgãos pertinentes, visando o combate à sonegação e à adulteração de combustíveis, práticas que, segundo o CNPE, distorcem a concorrência no setor.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) ficará encarregada de concluir os processos de tomada pública de contribuição sobre as atividades de distribuição e de revenda de combustíveis no país.

Foi dado à ANP o prazo até 240 dias para avaliar outros temas atinentes ao abastecimento de combustíveis que, por ventura, não tenham sido mencionados na tomada pública de contribuição.

Fonte: globo.com

Economia

Quem é Gita Gopinath, Primeira Mulher Economista-Chefe do FMI

A economista indiana Gita Gopinath é a primeira mulher a tornar-se economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), cargo para o qual foi indicada em outubro de 2018 e tomou posse no início deste ano.

Na função, Gopinath será a responsável por comandar o World Economic Outlook, relatório publicada a cada dois anos com um panorama da economia mundial. Conheça melhor a vida e trajetória da economista.

Ela aprendeu matemática com verduras e frutas

Nascida em uma família de classe média da cidade indiana de Calcutá, em dezembro de 1971, seu pai era uma empresário do setor agrícola. Para ajudar a filha a compreender conceitos matemáticos, como o de multiplicação, ele usava verduras e frutas na mesa do jantar.

Ela deixou os esportes para focar nos estudos…

Desde pequena, a economista gostava de esportes, mas surpreendeu a todos quando os largou para focar nos estudos. “Um belo dia, ela me disse que não queria ir treinar. ‘Esportes são complicados. A não ser que você seja o melhor da Índia, você não é ninguém. Mas se você for o primeiro ou o segundo melhor de uma universidade, você pode ser alguém muito importante”, disse seu pai, T.V. Gopinath, em entrevista à revista indiana The Week.

… e se dedicou à carreira acadêmica a partir de então

Gopinath se formou em Economia pela Universidade de Delhi em 1992 e obteve um mestrado pela mesma universidade em 1994. Ela então se mudou para os Estados Unidos, onde obteve um novo diploma de mestre na Universidade de Washington em 1996. Em 2001, recebeu um Ph.D em Economia na Universidade Princeton. Ela atualmente é professora do departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Harvard, em licença para exercer o cargo no FMI. Sua área de pesquisa é Macroeconomia e Finanças Internacionais.

Recebeu diversas honrarias ao longo da carreira

Em 2011, Gopinath foi eleita uma Young Global Líder no Fórum Econômico Mundial para um mandato de seis anos representando “a voz do futuro e esperança de uma nova geração”. Em 2012, o Financial Times a elegeu uma das “25 indianas para observar”. Em 2014, foi eleita uma das melhores 25 economistas com menos de 25 anos. E, em 2019, a revista Foreign Policy a considerou uma das principais pensadoras globais.

Fonte: Galileu

Economia, Indústria

Primeiro Carro Híbrido Flex do Mundo é Apresentado no Brasil

A Toyota apresentou na última quarta-feira (17), em São Paulo, o primeiro carro com propulsão híbrido flex do mundo, o que significa que ele pode ser abastecido tanto pelos combustíveis tradicionais (etanol e gasolina) quanto por eletricidade. O modelo é o clássico Corolla e será produzido na cidade de Indaiatuba, interior paulista.

É importante destacar que o automóvel não utiliza o mesmo mecanismo presente nos carros elétricos, que são recarregados por uma tomada adaptada. Em vez disso, utiliza uma tecnologia chamada “flex fuel”, que armazena a propulsão elétrica em uma segunda bateria dentro do carro. Essa propulsão é gerada a partir do uso dos combustíveis, cujo consumo deve reduzir em mais de 20%.

Ou seja, basicamente, o Corolla flex fuel ainda é um veículo que queima combustível e polui a atmosfera, porém reduz o consumo de energia e as emissões em 20%. O que acontece é que o gás do combustível é usado primeiro para gerar uma pequena carga elétrica, e só então fazer com que o automóvel comece a rodar.

O projeto da Toyota recebeu investimento de R$ 1 bilhão e deve gerar 900 empregos diretos. A previsão é que a versão adaptada do Corolla seja lançada em outubro no Brasil, com possibilidade de exportação para outros países da América Latina. Preços não foram revelados.

Fonte: PC World

Economia

Fiscalização da Bagagem de Mão Será Intensificada a Partir de Amanhã

A partir do dia 10 de abril, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR) iniciará uma campanha de orientação aos passageiros em voos nacionais em relação à bagagem de mão, visando agilizar o fluxo nas áreas de embarque, evitar atrasos e proporcionar maior espaço para todos os passageiros.

Segundo a ABEAR, 15 aeroportos brasileiros participarão da iniciativa. Em cada aeroporto haverá um período de duas semanas de adaptação, para que em maio possam ser implementadas regras mais estritas em relação às bagagens de mão.

A princípio, a fiscalização será feita por uma empresa terceirizada, que terá a responsabilidade de filtrar das bagagens de acordo com a dimensão e quantidade de volumes permitidos por cada companhia – tudo isso antes do embarque. 

As malas fora do padrão precisarão ser despachadas nos check-ins das companhias aéreas, estando sujeitos a cobranças de acordo com o tipo de franquia contratado para a viagem.

Bagagem de mão é aquela que pode ser levada junto ao passageiro durante a viagem. Cada companhia aérea tem suas restrições em relação ao peso e volume da mala e cumpre exigências em relação a itens permitidos e proibidos na bagagem de mão

Segundo as regras da ANAC, em vigor desde maio de 2017, a bagagem de mão pode pesar até 10 kg e o seu volume deve ser definido por cada companhia aérea. Para evitar transtornos na hora do embarque, prepare sua mala com cuidado e consulte as tabelas abaixo para saber exatamente os pesos e as medidas permitidas:

Fonte: Skyscanner

Economia

Deutsche Bank e Commerzbank Confirmam Negociações Sobre Fusão

Bancos

O maior banco da Alemanha, o Deutsche Bank, e seu concorrente Commerzbank confirmaram neste domingo (17/03) que vão iniciar negociações formais sobre uma possível fusão. O anúncio foi feito após reuniões separadas de seus conselhos de administração, e ambas as instituições afirmaram que o resultado das conversas ainda é incerto.

Em comunicado, o Deutsche Bank afirmou que seu conselho decidiu “avaliar opções estratégicas” de acordo com o seu potencial de trazer rentabilidade e crescimento ao banco. O Commerzbank, por sua vez, anunciou “conversas sobre uma eventual fusão com resultados em aberto”.

Há meses se especula sobre a união dos dois bancos. No último fim de semana, o jornal alemão Wel am Sonntag noticiou que a diretoria do Deutsche Bank havia concordado em iniciar conversas com o Commerzbank sobre a viabilidade de uma fusão. Na última segunda-feira, o ministro alemão das Finanças, Olaf Scholz, havia confirmado as negociações.

Autoridades alemãs vêm pressionando pela fusão, afirmando que falta à maior economia da Europa um banco de grande porte internacional e poderoso.

Enquanto a concorrência nos EUA há tempos fatura mais, grandes bancos alemães têm dificuldades em gerar lucros sustentáveis, dez anos após a crise financeira internacional de 2008.

O governo, que detém uma fatia de mais de 15% do Commerzbank, quer que o país tenha um banco capaz de dar suporte à sua economia movida pela exportação, conhecida sobretudo por seus carros e maquinário.

Berlim também quer manter a especialidade do Commerzbank – o financiamento de médias empresas, a espinha dorsal da economia do país – em mãos alemãs.

O Deutsche Bank saiu ileso da crise financeira, mas em 2016 o Fundo Monetário Internacional (FMI) classificou o banco como o de maior risco em potencial entre seus pares do setor financeiro, devido a suas ligações com outros bancos. Autoridades alemãs temem que uma recessão ou uma grande multa, por exemplo, possam abalar a frágil recuperação do banco.

Assim como o Deutsche Bank, o Commerzbank tem lutado para se recuperar, e defensores de uma fusão dizem que esta pode ser a última chance de evitar que o Commerzbank seja adquirido por um comprador estrangeiro. Isso significaria mais concorrência para o Deutsche Bank no próprio país.

Se a fusão se concretizar, o banco resultante terá cerca de 1,8 trilhão de euros em ativos, como empréstimos e investimentos, e um valor de mercado de cerca de 25 bilhões de euros (cerca de 108 bilhões de reais). Seria de longe o maior banco do país, com cerca de 38 milhões de clientes.

Juntos, os dois bancos empregam 140 mil pessoas mundo afora. O sindicato alemão Verdi se opõe veementemente a uma possível fusão, afirmando que ao menos 10 mil empregos ficariam ameaçados.

Alguns dos principais acionistas afirmaram ser contra a fusão, mas o banco de investimento americano Cerberus, que investe fortemente nos dois bancos, se disse a favor de negociações, segundo uma pessoa familiarizada com a questão disse à agência de notícias Reuters.

Fonte: Deutsche Welle

Economia

Mercedes-Benz Diz Que Está de Olho em Fatia da Ford

A Mercedes-Benz, líder do mercado de caminhões no Brasil, pretende absorver a fatia do mercado que será deixada pela Ford, que sairá do segmento após decisão de fechar a fábrica de São Bernardo do Campo (SP), responsável pela produção de veículos pesados da montadora norte-americana. “Estamos de olho e temos condições de atender ao perfil desse cliente (da Ford), mas ainda é cedo”, disse o presidente da Mercedes-Benz no Brasil, Philipp Schiemer, após participar, na noite da quinta-feira, 28, de evento de inauguração de uma nova linha de montagem de cabines na fábrica da Mercedes em São Bernardo do Campo.

Ele ressaltou que a fábrica de São Bernardo conta com 50% de ociosidade, portanto, há espaço na produção para absorver a demanda do cliente da Ford. Essa ociosidade também é um dos motivos para que Mercedes não se interesse em comprar a fábrica da concorrente, localizada na mesma cidade.

O executivo evitou comentar a decisão da Ford, mas destacou que a situação da indústria de caminhões no Brasil “está complicada há anos”. Contudo, enfatizou o potencial do mercado brasileiro e de caminhões e ônibus e pediu que o País tratasse com mais “cuidado” os investidores que estão aqui.

“O resultado de investimento da indústria no PIB é um péssimo sinal. E não se investe por razões óbvias, há um déficit fiscal alto que, se não for resolvido, fica difícil convencer colocar dinheiro novo aqui no Brasil”, disse Schiemer. “Não falo de incentivos, mas sim de criar condições para que possamos competir internacionalmente”, afirmou.

Ele, no entanto, afastou a possibilidade de a montadora sair do Brasil. “O Brasil é um mercado importante para nós, estamos aqui há 62 anos, há um potencial muito bom para caminhões e ônibus, mas o Brasil precisa cuidar dos investidores, e por isso a reforma da Previdência é tão importante, e não só ela, a reforma tributária também”, disse.

A Mercedes-Benz tem um plano de investir R$ 2,4 bilhões até 2022. O programa de aportes foi anunciado no fim de 2017. A nova linha de cabines apresentada na quinta-feira é resultado de um investimento de R$ 100 milhões, montante que está dentro do plano.

Fonte: Estadão Conteúdo