Meio Ambiente

Lixo Zero – Em Junho Natal Terá Encontro Sobre o Tema

O I Encontro Lixo Zero Natal promovido pelo Movimento  Soul Ativismo, terá como tema “Encontro Lixo Zero Natal Melhores Práticas”, e vai ocupar o Auditório do Centro Universitário do Rio Grande do Norte (UNI-RN), no dia 05 de junho, das 8h às 18h.

Será uma oportunidade de entender quais ferramentas possuímos e como vamos resolver o grande problema de gestão de resíduos sólidos conversando com quem entende do assunto.

O programa do I Encontro Lixo Zero Natal, contará com 06 (seis) painéis com a presença de especialistas e autoridades, além de associações e empresas que trarão casos de sucesso. Os temas abordados serão: 

Tendência e Estilo de Vida;

Conscientização e Educação Ambiental;

Redução e Reuso;

Reciclagem e Sistema de Reciclagem;

Compostagem e Agricultura Urbana;

Políticas Públicas e Cenário Local. 

As rodas de conversas vão possibilitar o diálogo aberto sobre: resíduos gerados, ser parte do problema ou contribuir com a solução, assim como histórias de empreendedores que mudaram suas vidas atuando com resíduos; além da visão do resíduo como solução, dando voz a catadores e movimentos periféricos; e estratégias de engajamento para sustentabilidade e regeneração do planeta.

O grande objetivo do Encontro Lixo Zero Natal é e dar visibilidade aos agentes públicos, ativistas e empreendedores que mostram boas práticas rumo ao conceito Lixo Zero.

Meio Ambiente, Tecnologia

Empresa Recicla Cápsulas Usadas de Café em Novo Centro Instalado em SP

De olho na sustentabilidade, a Nespresso inaugurou um Centro de Reciclagem para receber todas as cápsulas de café feitas de alumínio. Localizado em Osasco, na Grande São Paulo, o centro foi aberto a jornalistas na terça-feira (14 de maio): no evento, a empresa apresentou quais são as novidades no setor para o Dia Internacional da Reciclagem, que será comemorado no dia 17 de maio. 

Segundo Claudia Leite, do setor de sustentabilidade da Nespresso, a empresa tem planos de fazer uma gestão 100% sustentável do alumínio até 2020. Ela conta que o alumínio é um material muito importante por ser o único o capaz de preservar o frescor do café — e ainda ser “infinitamente reciclável”. “A reciclagem do alumínio consome 95% menos energia do que produção de alumínio virgem”, diz Claudia. 

A empresa — que já investiu R$ 5 milhões em sustentabilidade neste ano — não revela a quantidade de cápsulas que são recicladas diariamente no centro, mas Claudia afirma que a capacidade é três vezes maior do que é feito hoje. O local tem máquinas desenvolvidas pela própria Nespresso. que são responsáveis por separar o alumínio dos restos de café e depois triturá-lo.

As máquinas não conseguem separar completamente os dois itens mas, segundo Claudia, isso não prejudica o produto final. No caso do alumínio, é permitido ter até 10% de café impregnado (a Nespresso diz que deixa apenas 3%), enquanto o pó de café pode ter até 1% de alumínio.

Como as cápsulas de café da Nespresso são todas produzidas na Suiça, ficaria inviável enviar o material reciclado até o país para transformá-lo em novas cápsulas. Então a empresa encontrou alternativas no Brasil: o alumínio é encaminhado para a empresa de reciclagem chamada Latasa, enquanto a borra de café é usado pela empresa de fertilizantes Biomix. Além disso, foi produzida uma caneta feita com cápsulas recicladas do café Dharkan. 

Atualmente 81% dos consumidores têm acesso aos mais de 90 pontos de coleta de cápsulas de café. No entanto, apenas 20,1% está reciclando. Para Claudia, isso também tem a ver com a falta de engajamento dos consumidores que não entendem que a reciclagem é um dever coletivo. Ainda assim, houve um aumento na reciclagem, já que em 2018 eram 17%, em 2017 eram 13,3%, e 2016 apenas 8,6%.

Para quem tem interesse em conhecer o centro, é possível agendar uma visita ou fazer um tour virtual no site da Nespresso.

Fonte: Galileu

Operações

Ministério Público Deflagra Operação para Investigar Fraude na Coleta de Lixo em Caicó

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) deflagrou nesta terça-feira (14) a operação Máfia Capital. A ação apura fraudes na contratação de veículos, maquinário e pessoal para coleta de lixo na cidade de Caicó com o cometimento dos crimes de organização criminosa, fraude a licitações, peculato e corrupção ativa e passiva. Além do RN, a operação cumpre mandados de prisão e de busca e apreensão nos Estados de São Paulo e Pernambuco. Um ex-secretário municipal de Caicó e dois empresários foram presos.
A operação Máfia Capital é desdobramento de três outras operações do MPRN: a Cidade Luz, deflagrada pelo MPRN em 2017 para investigar irregularidades no contrato de iluminação pública da Prefeitura de Natal, e as operações Blackout e Tubérculo, realizadas com os objetivos de apurar fraudes no contrato de iluminação pública da Prefeitura de Caicó.
A operação Máfia Capital foi deflagrada com o apoio da Polícia Militar potiguar e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) dos Ministérios Públicos do Rio Grande do Norte, de São Paulo e de Pernambuco.  Promotores de Justiça e policiais militares cumprem os mandados de prisão e de busca e apreensão nas cidades de Caicó, Mossoró, Recife, Jaboatão dos Guararapes e São Paulo.
Fonte: MPRN
Ciência

Papanicolau: Conheça o Criador do Exame que Detecta Câncer de Colo de Útero

Em 13 de maio de 1883 nascia Geórgios Papanicolaou, grego responsável por desenvolver os métodos até hoje utilizados para detecção de possíveis tumores malígnos no colo do útero e na vagina. O especialista se formou em medicina aos 15 anos e trabalhou no Exército dos Bálcãs, até imigrar para os Estados Unidos em 1913.

Quando chegou na América do Norte com a esposa Andromachi Mavroyenis, tinha só cerca de U$ 250 “o montante necessário para entrar nos Estados Unidos”, de acordo com uma investigação da Associação Médica de Cingapura (SMA). Georgios vendia tapetes, tocava violino em restaurantes e Andromachi costurava botões por cinco dólares por semana. Isso aconteceu por um tempo, até Papanicolauo ser chamado pela Universidade de Cornell para trabalhar como pesquisador.

Foi na instituição nova-iorquina que o médico e sua assistente, a esposa, desenvolveram o teste que o tornou um dos nomes mais fomosos da medicina. Ele se baseou nos estudos em que realizou com porquinhas-da-índia para desenvolver a técnica que é aplicada em humanos até hoje.

Para quem não sabe, o exame é simples: o ginecologista ou outro especialista responsável utiliza um espéculo para dilatar o canal vaginal e, com uma espátula, coleta algumas células do colo do útero. O material é então enviado para análise laboratorial e os resultados não tardam a chegar.

De acordo com os especialistas, o exame de papanicolau ajudou na redução de 70% dos cânceres causados por lesões, além de terem eficácia de 95% em tumores cervicais — importantes principalmente quando os nódulos ainda não podem ser observados a olho nu, pois aumenta a possibilidade de cura.

O Ministério da Saúde recomenda a realização do exame por mulheres maiores de 25 anos com vida sexual ativa. O ideal é fazer a coleta duas vezes por ano nos primeiros dois anos de realização do exame, e depois apenas uma vez a cada três anos.

Já no fim de sua carreira, Geórgios Papanicolaou foi nomeado duas vezes para o Prêmio Nobel, recebeu o Prêmio Albert Lasker de Pesquisa Médica Clínica em 1950 e teve seu retrato estampado na nota grega de 10 mil dracmas. O especialista morreu em 19 de fevereiro de 1962, aos 78 anos, vítima de um infarto.

Fonte: Revista Galileu

Nacional, Polícia

Natal Vira Rota do Tráfico, e Apreensão de Cocaína Sobe 152 Vezes em 2 Anos

Era outubro de 2017 quando a polícia espanhola apreendeu, na Espanha, 290 quilos de cocaína camuflada em meio a uma carga de frutas exportada do Brasil para a Europa via porto de Natal (RN). A quantidade surpreendeu investigadores brasileiros.

O Rio Grande do Norte até então era um local no qual o tráfico internacional de drogas não era considerado um problema. Durante todo aquele 2017, apenas 22 quilos de cocaína foram apreendidos no estado. Em São Paulo, líder em apreensões, foram recolhidos mais de 16 toneladas da droga no mesmo período.

Com a apreensão na Espanha, contudo, uma investigação acabou sendo aberta no Brasil. Um ano e meio depois, Receita Federal e PF estão convictos de que descobriram uma nova rota de comércio ilegal de drogas para o exterior. Por meio dela, pelo menos mais de 10 toneladas de cocaína foram transportadas do porto de Natal principalmente para Holanda.

Com o esquema no radar de autoridades, a quantidade de cocaína apreendida no Rio Grande do Norte aumentou 15.223% em dois anos. Até o final de março deste ano, 3,4 toneladas da droga já haviam sido apreendidos no estado. Isso é 152 vezes mais do que o recolhido em todo o ano de 2017 e quase o dobro do total apreendido nos 12 meses de 2018.

“É um grande esquema de tráfico de drogas”, afirma Edvandir Felix de Paiva, delegado da PF e presidente da ADPF (Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal). “O porto de Natal foi usado como base para o envio de uma grande quantidade de droga para diferentes países da Europa.”

Investigações sobre o esquema ainda estão em curso na PF e MPF (Ministério Público Federal). Ninguém foi preso até agora. Os órgãos não quiseram se manifestar sobre o caso pois ele está sob sigilo.

Apreensões de cocaína no RN 2017

– 22,24 kg 2018

– 1.727 kg 2019 (até fim de março) – 3.408 kg

Aumento de 15.223% desde 2017

Fonte: Polícia Federal

Apreensões de cocaína no Brasil 2017

– 48.047 kg 2018

– 79.173 kg 2019 (até fim de março) – 22.233 kg

Fonte: Polícia Federal

Falta de scanner e localização privilegiada

De acordo com a Receita Federal e segundo as investigações da PF, a localização do porto de Natal fez com que traficantes escolhessem o local para o transporte da droga. A capital do Rio Grande do Norte fica no extremo leste do Brasil. É, portanto, um das cidades mais próximas à Europa, via oceano Atlântico.

A Sesed-RN (Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social do Rio Grande do Norte) informou que investigações apontam que a droga exportada via Natal vem de países vizinhos, como a Bolívia, e entra no Brasil via Acre ou Rondônia.

No porto potiguar, os criminosos ainda aproveitaram-se da falta de estrutura para fiscalização das cargas. De pequeno porte, o terminal marítimo não conta com escâner de contêineres. Sem ele, ficou mais difícil para autoridades descobrirem que pacotes de droga estavam sendo frequentemente misturados a caixas de frutas exportadas para a Europa.

Segundo a Receita Federal, o escâner, que custa cerca de R$ 6 milhões, poderia detectar a droga como os equipamentos instalados em aeroportos identificam itens proibidos em bagagens de passageiros. Na falta dele, a fiscalização é feita de forma visual. Ou seja, é difícil encontrar cargas de droga postas estrategicamente no “miolo” de um contêiner.

As apreensões de cocaína feitas no porto de Natal neste ano ocorreram nos dias 12 e 13 de fevereiro. Primeiro, foram 1,2 tonelada da droga escondida em caixas de manga. Menos de 24 horas depois, foram apreendidas outras 2 toneladas da droga, embaladas em caixas junto com melões.

Apreensões de cocaína na rota Natal-Europa

Outubro/2017 – 290 kg, na Espanha

Outubro/2018 – 2,4 toneladas, na Holanda

Novembro/2018 – 1,4 tonelada, num depósito em Natal

Janeiro/2019 – 408 kg, na Holanda

Fevereiro/2019 – 1,3 toneladas, na Holanda

Fevereiro/2019 – 1,85 toneladas, na Holanda

Fevereiro/2019 – 2 toneladas, na Holanda

Fevereiro/2019 – 1,2 toneladas, no Porto de Natal

Fevereiro/2019 – 2 toneladas, no Porto de Natal

Fevereiro/2019 – 2,4 toneladas, na Holanda

Total – 15,2 toneladas

Fonte: Receita Federal

Exportações suspensas

Por conta da descoberta da rota do tráfico de drogas, as exportações para a Europa via porto de Natal chegaram a ser suspensas no final de fevereiro. A suspensão foi uma decisão da CMA CGM, empresa francesa que explora a rota marítima de exportação de frutas do Brasil para a Europa. Na época, a empresa disse que a decisão havia sido tomada por conta “da situação precária do porto de Natal” e do risco de contaminação de cargas.

Uma comissão composta por vários órgãos do governo foi, então, montada para discutir medidas para aumentar a segurança do porto. No início de abril, as exportações de frutas para a Europa foram retomadas pela CMA CGM.

“Um plano de ação, está sendo executado com vários itens de segurança”, informa a Codern (Companhia Docas do Rio Grande do Norte), que administra o terminal.

Ainda não há um escâner em funcionamento no porto de Natal.

Questionada sobre as medidas para o combate ao tráfico no Estado, a Seded-RN informou em nota que está trabalhando num convênio de cooperação com a cooperação com a PF contra o crime organizado.

Fonte: UOL Notícias

Assembléia Legislativa

Projeto do Deputado Estadual Hermano Morais Institui Outubro Como Mês de Enfrentamento e Combate à Violência Contra a Pessoa Idosa

Projeto de autoria do deputado estadual Hermano Morais (MDB) que institui outubro como o mês de Enfrentamento e Combate à Violência Contra a Pessoa Idosa no Estado do Rio Grande do Norte, foi aprovado por unanimidade após votação no plenário da Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (08).

Caso sancionado pelo governo, o Poder Executivo Estadual deverá realizar ações (campanhas educativas e preventivas em rádio e TV, distribuição de material impresso, realização de audiência pública, palestras, rodas de conversa, seminários, fóruns, cursos, etc.) de Conscientização para o Enfrentamento e Combate à Violência contra a Pessoa Idosa, devendo mobilizar seus agentes em âmbito estadual.

Além disso, deverá estimular a instalação e funcionamento de Conselhos Municipais da Pessoa Idosa em todos os municípios do Estado do Rio Grande do Norte, tendo em vista serem responsáveis pela fiscalização da política da pessoa idosa a nível local.

Por fim, de acordo com o PL, deverá distribuir o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003) atualizado, a todos os participantes das atividades realizadas, como forma de conscientizar sobre seus principais direitos.

Saúde

Barbeiro “Terapeuta” Britânico Cria Método Contra Suicídio e Vem ao Brasil

Até que ponto um corte de cabelo ou uma ida ao barbeiro para fazer a barba pode salvar vidas? Para Tom Chapman, fundador do Lions Barber Collective, o assunto é sério. Ele oferece ferramentas aos profissionais do ramo para prevenir suicídios entre homens no Reino Unido e, em dois meses, virá ao Brasil estudar a possiblidade de implementar sua metodologia.

Chapman não é um barbeiro tradicional. Além de fazer barbas no salão que tem na cidade de Torquay, no condado de Devon, este britânico tatuado, de 35 anos, oferece “um espaço seguro” e assessoria sobre saúde mental para clientes que precisem de ajuda.

Depois de 17 anos na área, ele decidiu apostar na “paixão, na empatia e na vontade de ajudar” para embarcar, em 2015, em uma espécie de batalha ao lado de outros cabeleireiros comprometidos com o tema.

Chapman criou então um coletivo que oferece treinamento específico a profissionais do país, com palestras para que barbeiros aprendem a “identificar a tempo sinais de alerta” entre os clientes. Com isso terminam, potencialmente, “salvando vidas”.

No Reino Unido, o suicídio masculino é considerado o “maior assassino” de homens de até 45 anos, com 15,5 a cada 100 mil, frente a um índice de 4,9 suicídios por 100 mil entre as mulheres, de acordo com os dados mais recentes do Escritório Nacional de Estatísticas (ONS).

No caso de Chapman, que se tornou educador, escritor, assessor e embaixador da causa, foi o suicídio de um amigo que o marcou e fez com que passasse a trabalhar na prevenção.

“Percebi que nós, os barbeiros, temos um espaço muito privilegiado na comunidade e quando um homem se senta na nossa cadeira ele se abre muito rapidamente e nos conta muitas coisas”, disse Chapman em entrevista à Efe em uma barbearia de Londres.

Segundo Chapman, carinho e confiança são fundamentais para criar essa bolha terapêutica, uma espécie de vínculo especial, que acaba se estabelecendo entre o profissional e o cliente. Conversas que levam, em muitos casos, aqueles que sofrem com transtornos mentais pedirem ajuda e consigam ser ajudados.

“Os barbeiros têm essa licença para tocar outros homens, com quem passam de 30 minutos a uma hora sem interrupções, e isso gera uma forte conexão com o cliente”, refletiu.

Chapman comentou que, quando um barbeiro atende um cliente, entre eles é criado “um nível de conexão, de intimidade e de confiança em um ambiente que não é clínico, onde ninguém julga”.

Talvez aí esteja o sucesso deste projeto, que ele quer expandir. Seu objetivo à frente do grupo sem fins lucrativos é “envolver todos os barbeiros do Reino Unido” e, com o tempo, transformar a ideia em uma iniciativa global.

Além das dezenas de barbeiros que já fazem parte da proposta em todo o Reino Unido e na Irlanda, o projeto conta com a participação de profissionais associados em lugares como Havaí e Nova Zelândia.

Em julho, Chapman virá ao Brasil para estudar a possibilidade de fazer algo parecido. A intenção é passar por Rio de Janeiro e São Paulo.

Sua metodologia tem tido apoio de grandes nomes. Há alguns anos, a iniciativa chamou a atenção do príncipe William – muito envolvido em causas relacionadas à saúde mental -, que visitou o salão Pall Mall Barbers, em Paddington, em 2015.

Em 2017, Chapman também recebeu um reconhecimento da primeira-ministra britânica, Theresa May, por seu trabalho.

Diante do forte estigma que ainda envolve as doenças psicológicas, Chapman defende que “falar de saúde mental não é uma fraqueza”, pois é uma questão “que afeta todo o mundo”.

Perguntado sobre sua maior conquista, disse se orgulhar de ter dito às pessoas de maneira pública que elas podem contar com ele para falar sobre seus problemas.

Nesta missão participa também o diretor-geral da Pall Mall Barbers, Daniel Davies, um dos embaixadores do coletivo. Davies e Chapman compartilham o mesmo entusiasmo pelo projeto.

“Às vezes é intimidador ter que ir ao médico e você sempre acha que pode ser julgado. Muitas vezes, as pessoas que mais amamos são as mais difíceis de se abrir. Tinha um cliente que frequentava minha barbearia há anos, sempre alegre e motivado. Um dia, notei que as coisas não estavam tão bem, e ele me contou que tinha tentado se suicidar na semana anterior”, contou Davies.

No site thelionsbarbercollective.com é possível encontrar a lista dos profissionais que já aderiram ao projeto. Talvez em um futuro próximo, barbeiros brasileiros possam fazer parte do quadro também.

Um corte de cabelo pode salvar a vida de alguém? Para Tom Chapman, a resposta é “com certeza, sim”.

Fonte: UOL