Opinião

Ouvir, Ver e Perceber

Deveria ser missão de todo político: Sentar, anonimamente, sem seus assessores de plantão, e ter o “trabalho” de ouvir, observar e pensar como fazer para solucionar o que ele pode ouvir nas praças, transporte público, centros clínicos, e lugares por onde circula o povo que representa.

Os despachos de gabinete costumam afastar os políticos, via de regra, de suas bases, do hábito de ouvir críticas, de pensar nas coisas que a maioria passa e como solucionar, e aqui sem apontar e nem julgar gestões, nem nomes e muito menos funções políticas.

Pose, muitos fazem (com e sem mandato) e na prática não saem do óbvio, do feijão com arroz cru. Não é preciso criar projetos mirabolantes, é preciso testemunhar histórias, perceber o outro além de um mandato, que acaba.