Ciência

Selante de Fibrina Pode Chegar em Breve ao Mercado

O Globo Rural, que começou o acompanhamento da pesquisa do Selante de Fibrina (que auxilia na cicatrização de feridas, em especial pacientes com úlceras venosas crônicas, mas vai além disso) há 30 anos, desperta curiosidade e demonstra como as coisas desenvolveram nesse período para os pacientes voluntários.

Com patente já vendida, a cola produzida no CEVAP (Centro de Estudos de Veneno e Animais Peçonhentos), da UNESP de Botucatu, que antigamente era produzido com veneno de Jararaca, Cascavel e sangue humano, hoje é produzido com a mistura de veneno dessas espécies de cobras e sangue de búfalos.

A cola é um bioproduto 100% nacional, cujo a ação se baseia no princípio natural da coagulação. Por ser biológico não há rejeição e portanto é uma excelente alternativa para engenharia de tecidos e celular.

O adesivo cirúrgico pode ser empregado também para colagem de pele, de nervos e cirurgias de gengivas. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) deu autorização para o produto, relata Benedito Barravieira, professor do Departamento de Doenças Tropicais da Faculdade de Medicina da UNESP. Barravieira está envolvido no projeto desde seu início em 1989.

Com resultado já comprovado, agora os pesquisadores e a empresa que comprou a patente da UNESP, aguardam registro para ser comercializado e produzido em grande escala, inclusive pelo SUS. Acompanhe baixo o vídeo explicando melhor.

Fonte: CEVAP