Eleições 2018, Política

Destemperado, Governador Robinson Faria Esperneia Para Deixar de Ser o Pior Governador da História do RN

Em entrevista concedida esta noite na rádio 95 FM, o governador Robinson Faria resolveu “contar verdades”, segundo ele, para todo o Rio Grande do Norte saber o que ele tem passado nesses três anos e sete meses de gestão. Destemperado, embora sem elevar o tom da voz, o governador parecia querer acreditar naquele que ele dizia, tanto que a palavra que mais se destacou nos 26 minutos de entrevista foi “verdade”.

Robinson, apressado para falar antes que esquecesse, já começou sua fala desconexa sobre um adversário: Carlos Eduardo. Aquele que se diz prefeito de Natal e governador ao mesmo tempo, embora dificultasse qualquer entendimento com o Executivo municipal, apelou de todas as formas para desfazer a imagem de seu adversário. Falou de acordão porque deve achar que ainda estamos em 2014, dos Alves, dos Maia e dos Rosado. Curiosamente não contou que foi atrás de Rosalba para que ela indicasse o vice que ele buscava. Curiosamente não contou que sempre esteve ao lado de Alves e Maia desde que entrou na política, pelas mãos de seu pai, Osmundo Faria.

Depois de falar sobre Carlos Eduardo, mais para frente foi a hora de falar sobre quem foi sua aliada em 2014, foi quem trouxe Lula para campanha – que ele disse, em programa eleitoral, o exemplo de gestor, foi quem botou a militância nas ruas: Fátima Bezerra. Chamou de pior senadora do RN, chamou o PT da pior gestão da história do Brasil. Logo ele, que colocou o deputado estadual Mineiro para ser seu líder de governo na Assembléia Legislativa. Desmente Fátima Bezerra sobre os 12 IFRN’s existentes no RN, dizendo que esse é um programa federal e que ela nunca trouxe nada, e ainda compara com a Paraíba, que recebeu 24 IFPB’s.

Nas idas e vindas de frases desconexas e esquizofrênicas, Robinson Faria acusou os senadores Garibaldi Filho e José Agripino de articularem contra a liberação de recursos do Governo Federal que serviriam para tudo, menos para pagar folha e foi essa a observação do Tribunal de Contas da União. Segundo o governador, ele saiu por uma porta e os dois senadores entraram na sala por outra porta pedindo para desfazer o que ele, sozinho e autosuficiente como sempre, conseguiu para pagar os servidores. Essa é uma denúncia grave feita por um governador do estado em um momento delicado. Quem tem uma informação como a do governador disse que teve e pode provar não deve calar-se, sob a leitura de omissão, ou até prevaricação.

O governador, que está no poder há três anos e sete meses, disse que não teve tempo de mostrar suas mais de 1200 obras no RN. Talvez fosse mais fácil listá-las e publicizar online, com local das obras, custos, participação nessas obras. Inclusive Robinson Faria disse que entregou o anel viário metropolitano, que ninguém consegue identificar o local dessa obra. Talvez tenha confundido com o complexo viário Eduardo Campos, feito nesta gestão de Ricardo Coutinho, governador da Paraíba e opositor ao Governo Federal atual.

Vendo o vídeo percebemos que as pessoas devem aprender que o ente maior sempre faz a parceria com o ente menor, no caso, o município de Natal poderia procurar fazer parceria com o Governo do Estado, mas se o Estado do RN ignora a capital, o que um prefeito pode fazer? E mais, muitas das ações do governo Robinson foi com dinheiro emprestado pelo Banco Mundial, e empréstimo esse que ninguém sabe em quanto já foi pedido nesta gestão. O governador crê que faz muito por Natal repassando os impostos que todo governo tem obrigação de passar. É obrigação, é lei, não é favor.

Abaixo, vídeo desta entrevista concedida ao Jornal da 95 e publicada no perfil da jornalista Thaisa Galvão, para que cada um faça a leitura da diferença de tons, de gestos, e abordagens de Robinson Faria, governador do Rio Grande do Norte, sobre os diversos assuntos. No fim desta entrevista fica a lembrança da frase do governador para os servidores do estado: “podem espernear. O espernear é livre”. E assim dirão os servidores que fizeram o PSD mudar o local da sua convenção. Era no Complexo Cultural da UERN, na zona norte, e agora será em um hotel na Av. Salgado Filho. Quem tem medo do lobo mau?