Futebol, Negócios, Russia 2018

Messi, CR7 e Alemanha Fora da Copa do Mundo: Entenda o Que Isso Significa Para Adidas e Nike

Camisas

As seleções de Argentina e Portugal foram eliminadas do torneio nas oitavas de final e, assim, deixaram a competição dois dos principais “garotos propaganda” que estavam na Copa e ajudavam a divulgar a Adidas e a Nike.

Artilheiros e donos de cinco troféus Bola de Ouro cada – eles se alternam na premiação desde 2008 -, tanto o argentino Messi, atacante do Barcelona, quanto Cristiano Ronaldo, jogador do Real Madrid, estão entre os jogadores mais bem pagos do mundo e veem as suas respectivas contas bancárias inflar graças aos contratos de patrocínio.

Apesar de não terem se enfrentado no Mundial na Rússia, os dois há anos rivalizam dentro e fora de campo. Mas a disputa entre não é maior que a briga entre Adidas e Nike, as duas marcas gigantes do esporte que patrocinam Messi e Cristiano Ronaldo, respectivamente.

Para as duas patrocinadoras, a Copa do Mundo é mais que vender produtos oficiais. É também uma ótima oportunidade para expor suas marcas. Isso significa que o desempenho dos atletas bancados pelas empresas e de seus respectivos times é crucial para os negócios.

Rendimento e imagem

“A maior parte da estratégia da Adidas e da Nike foca em patrocinar times e jogadores que podem sair como vencedores do torneio, na tentativa de associar o nome delas ao sucesso e ganhar o máximo de exposição para crescer no futuro”, diz o consultor de marketing esportivo Amir Somoggi.

Por trás da disputa das duas marcas está muito dinheiro. Em 2014, a Adidas declarou ter vendido cerca de US$ 2,5 bilhões em produtos relacionados ao futebol, impulsionada pelo bom desempenho de seus patrocinados na Copa do Mundo no Brasil. No mesmo ano, a Nike anunciou um aumento de 23% no lucro liquido durante a competição.

A Copa do Mundo no Brasil foi a primeira em que a Nike derrotou a Adidas na disputa por patrocínio. Dos 32 times que disputaram o Mundial em território brasileiro, 12 vestiam Nike e dez usaram Adidas. Mas, no final, foi a gigante alemã, que é parceira oficial da Fifa e responsável pelas bolas e pelos produtos oficiais da Copa do Mundo, que levou mais vantagem naquela competição já que a Argentina e a Alemanha, ambas patrocinadas pela Adidas, disputaram a final.

Desde 1998, seleções patrocinadas pela Adidas conquistaram três taças. Até o momento, a Nike só “ganhou” uma Copa, com o Brasil em 2002. Mas, na Rússia, a situação parecia estar se invertendo. A Adidas patrocina 12 times e a Nike, dez – no entanto, a empresa americana diz que 60% dos jogadores usam suas chuteiras.

De acordo com a CIES Football Observatory, que conduz pesquisas sobre futebol, 132 dos 200 jogadores mais valiosos que disputam a Copa calçam chuteiras da Nike, comparado com 59 da Adidas. A lista incluiu Cristiano Ronaldo, que assinou um contrato vitalício com a Nike no valor de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 3,8 bilhões no câmbio atual).

Exibir a marca de uma empresa no uniforme de uma seleção de um país não é barato. A Nike paga cerca de US$ 50 milhões para a Federação Francesa de Futebol por um acordo até 2026, e dezenas de milhões para a Inglaterra e o Brasil. O acordo da Alemanha com a Adidas é de US$ 58 milhões e com a Espanha, US$ 47 milhões. Já o contrato com a Argentina é bem menor: US$ 11 milhões.

Frustração alemã

A eliminação da Alemanha, ainda na fase de grupos, foi uma péssima notícia para a Adidas, que tinha visto a venda de camisas oficiais da seleção alemã disparar. Em 2002, por exemplo, a empresa vendeu 8,6 milhões de camisas e, em 2014, esse número chegou a 14,2 milhões – vendidas a um preso médio de US$ 66.

Dos 16 times que se classificaram para as oitavas, Brasil, Croácia, Inglaterra, França, Portugal vestem Nike. Já a Argentina, Bélgica, Colômbia, Japão, México, Espanha, Suécia e os donos da casa, a Rússia, usam Adidas. Por sua vez, a Puma, empresa alemã fundada pela mesma família responsável pela Adidas (para entender essa disputa vejam Adidas x Puma, Irmãos e Rivais – Rivals Forever – na Netflix), patrocina o Uruguai e a Suíça. A Dinamarca é patrocinada pela Hummel.

CR7

Com Cristiano Ronaldo fora da Copa, a Nike investe, no campo individual, as esperanças de exposição e faturamento em nomes como Neymar, o inglês Harry Kane e o francês Kylian Mbappé. Já a Adidas ficou sem muitas opções no campo individual, depois que o alemão Mesut Özil e o egípcio Mohammed Salah foram eliminados. A empresa ainda tem como patrocinados o francês Paul Pogba e o Uruguaio Luis Suárez, além do brasileiro Gabriel Jesus.

Fonte: BBC