Opinião

O Eu, o Ego, Como Fonte Alimentadora da Falsa Impressão de Competência

carteirada

O círculo político é interessante. Observando quem está dentro e quem está fora, percebemos discursos, tomamos conhecimento de interesses por trás desses discursos, percebemos o apego ao que veio do passado e já está com prazo de validade vencido, e mais, a memória muito curta de que algum poder que se tem é transitório, volátil.

O que vale mais no poder público, ser técnico ou ser político? A escolha parece ser óbvia: o político. Sujeito não entende nada da área para que foi nomeado, mas como é tomado pela sua vaidade e cego pelo seu Ego, faz uma tolice atrás da outra e acha que desfazer o que o outro fez é construir algo novo. Nada mais antigo, nada mais atrasado, nenhuma demonstração maior de insegurança e incapacidade.

Um líder, de fato, seja político ou técnico, ou técnico/político, sabe identificar como funciona o ambiente de trabalho, mantém aquilo que funciona e vai mudando suas concepções, mantendo o que está ou mundando. Alguém operacional não pode chegar no mundo político, por mais que conheça a pior as bandalheiras, e dar continuidade ao discurso de “rouba mas faz”. Ser operacional não precisa ser mau-caráter, assediador, e chegar nos lugares falando mal de outros porque acha que tem autorização de instâncias superiores por isso. Na sociedade hoje, esse tipo de comportamento depõe contra qualquer gestor, seja em que esfera for, que indicou alguém de comportamento tão imbecil e inaceitável por onde passa.

Um chefe, é um ser mais limitado, digamos, que só chefia, de fato, gente com condições frágeis de trabalho, que se submete aos trabalhos pequenos, sujos, e que não faz pela sociedade, mas pelo próprio umbigo. Tolo, acha que o poder dura para sempre, ainda que já tenha passado por experiência anterior. O líder soma, o chefe subtrai. É simples.

Triste do poder que conta apenas com chefes, desqualificados no caráter, no comportamento diário com as pessoas, e mudam de lado de acordo com o vento. Podre é o poder que precisa de gente assim, e ainda oferece algum tipo de poder, capaz até de atrair votos, mais com uma capacidade de desagregar e perder mais que somar, inclusive usando de artifícios que só o Ministério Público pode analisar.

A sociedade busca ser outra, melhor, com ações voltadas para o coletivo apenas porque é o correto; e caso isso não ocorra, continuaremos a ser uma sociedade hipócrita e medíocre.