Curiosidade

Sucesso do Fusca Afastou Passado Nazista

Hitler - Hoffmann-Getty Images
Foto: Hoffmann/Getty Images

Dois homens e um megaprojeto: Adolf Hitler e Ferdinand Porsche foram os criadores do Fusca. Porsche como engenheiro projetista, Hitler como mentor político. “Foi o encontro de duas partes que se encaixavam”, resumiu o historiador Wolfram Pyta, professor de História Contemporânea na Universidade de Stuttgart.

Com os colegas Nils Havemann e Jutta Braun, Pyta traçou a história da empresa fundada em 25 de abril de 1931, em Stuttgart, no livro Porsche. Vom Kunstruktionsbüro zur Weltmarke (Porsche. De escritório de design a marca mundial, em tradução livre). Sem o apoio do ditador, Porsche não teria podido finalizar o projeto do Volkswagen (carro popular, em alemão), aponta o historiador.

“Hitler precisava de uma mente criativa para construir um veículo compacto apropriado para a produção em série”, explica Pyta. “E Porsche precisava de uma encomenda política que lhe permitisse projetar sem a pressão de custos.”

Motorização e Estabilização

Já no Salão Internacional do Automóvel de fevereiro de 1933, ou seja, poucas semanas após a sua nomeação como chanceler do Reich, Hitler anunciava a “motorização popular”. Em meados de 1934, a “Associação da Indústria Automotiva Alemã do Reich” encomendava à Porsche o projeto de um carro “Kraft durch Freude” (força através da alegria), em homenagem à organização nazista homônima, de atividades recreativas.

Em 29 de dezembro de 1935, Hitler – que não possuía nenhuma carteira de motorista – recebeu pessoalmente o protótipo de seu “carro popular”. Dois anos e meio depois, a pedra fundamental da fábrica da Volks em Wolfsburg era lançada em 26 de maio de 1938, com a presença do “Führer”.

No início, o automóvel da “força através da alegria” não serviu à “motorização popular”, mas sim à Wehrmacht, as Forças Armadas nazistas. Ele foi utilizado como carro utilitário e de comandante (“Küberlwagen”) e veículo anfíbio na campanha de guerra.

Ninguém ficou surpreso, no entanto, com esse uso militar adicional. Pois, desde o início, tal conversão estava planejada. Num documento de 1934, Porsche afirmava que “um carro popular deve servir não somente como veículo de passageiros, mas também para entregas e propósitos militares específicos.”

Um Fusca Francês?

A história de sucesso do carro compacto para o povo começou, na verdade, após Segunda Guerra Mundial. Para se distanciar do passado nazista, ele foi apelidado de “Käfer” (besouro) na Alemanha. Já em dezembro de 1945, meio ano após o fim da guerra, o primeiro “Käfer” deixava a linha de montagem.

Dez anos mais tarde, a fábrica da Volks em Wolfsburg comemorava a produção da milionésima unidade. O carro com a carroceria arredondada e motor boxer avançava como símbolo do milagre econômico alemão. Com o nome de Beetle, Fusca ou Vocho, ele conseguiu recordes de vendas em todo o mundo. No total, foram produzidas e vendidas 22 milhões de unidades do carro popular da Volks.

O distanciamento do passado nazista já aconteceu no período pós-guerra. Em outubro de 1945, o Ministério da Produção Industrial da França, que na época era liderado pelos comunistas, entrou em contato com Porsche.

“Em nenhum outro campo pode-se ver tão claramente o distanciamento bem-sucedido do nazismo como no esforço do governo francês para abocanhar para si os serviços do engenheiro projetista da Volks”, afirma Pyta.

“Oportunismo sem limites”

A concorrência francesa sabia que era preciso evitar que o carro popular francês fosse associado ao passado nazista. “Houve uma intriga entra as concorrentes Renault e Peugeot. Porsche e seu genro Anton Piëch foram acusados de envolvimento em crimes de guerra”, aponta Pyta.

Surpreendentemente, em dezembro de 1945, Porsche foi então colocado sob a custódia das autoridades militares francesas, onde permaneceu até agosto de 1947. O sucesso mundial do Fusca não foi capaz de impedir a detenção.

Para Pyta, uma cooperação entre Hitler e Porsche não é algo tão excepcional, pois supostos homens de ação apolíticos deixam-se muitas vezes impressionar quando governantes autoritários os atraem com megaprojetos fascinantes.

“Porsche não foi o único a cooperar com ditadores, sem nenhuma preocupação moral e num oportunismo sem limites”, afirma o historiador. “Às vezes, empresários interessados somente no sucesso de sua firma ou na implementação de ambiciosos projetos tecnológicos não têm nenhum escrúpulo ao fazer acordos com governantes autoritários.”

Fonte: Terra

Saúde

Como a Malária Evoluiu Para se Tornar Letal aos Humanos

Malária

A pesquisa, liderada por cientistas do Instituto Wellcome Sanger, em Cambridge, comparou sete tipos diferentes da enfermidade, montando a árvore filogenética (representação gráfica da evolução) do parasita que a provoca.

O trabalho, publicado na revista científica Nature Microbiology, revelou que, há cerca de 50 mil anos, os parasitas se dividiram em dois ramos evolutivos, com um deles evoluindo para se tornar uma espécie que infecta humanos e provoca uma doença com alto índice de mortalidade.

Uma das causas dessa divisão foi uma mutação que permitiu que o protozoário causador da malária conseguisse infectar os glóbulos vermelhos do sangue. “Nosso trabalho juntou a peças para reconstruir os passos da evolução que permitiram que o parasita pudesse não apenas entrar no corpo humano, mas ficar, se reproduzir e ser retransmitido por mosquitos”, diz o especialista em parasitologia Matt Berriman, um dos autores do estudo.

Mortes no Mundo

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a malária atinge mais de 200 milhões de pessoas anualmente. Só em 2016, quase meio milhão de pessoas morreram com a doença – na maioria, crianças menores de cinco anos.

A espécie que mais causa mortes no mundo é o Plasmodium falciparum – ela infecta o corpo humano por meio da mordida do mosquito-prego. Mas há uma série de outras espécies que atingem grandes primatas, como chimpanzés e gorilas.

Para estudar as outras espécies, os pesquisadores tiveram a colaboração de um time que cuida de primatas feridos ou órfãos em um santuário no Gabão.

Durante exames de saúde de rotina, os veterinários colheram amostras de sangue dos animais, que continham um “histórico” dos parasitas em seu corpo. Os cientistas, então, usaram os códigos genéticos dos protozoários para traçar seu caminho evolucionário. Para bichos maiores, esse tipo de estudo normalmente é feito com fósseis, mas no caso dos parasitas não existe essa possibilidade.

Comparando os genomas das diferentes espécies de parasitas, os pesquisadores conseguiram identificar exatamente como uma parte dos genes foi mudando ao longo do tempo, e como isso levou ao Plasmodium falciparum, a especie mortífera para humanos.

Parentes Próximos

Os pesquisadores analisaram sete tipos de micróbios da malária – três que atacam chimpanzés, três que atingem gorilas e a espécie que infecta humanos. A linhagem do Plasmodium falciparum surgiu há 50 mil anos, mas se tornou mortífera para pessoas há cerca de 3 mil ou 4 mil anos. “A expansão do humano moderno criou um ambiente no qual os parasitas evoluíram especificamente para atacar humanos”, explica Berriman.

A professora Janet Hemingway, diretora da Escola de Medicina Tropical de Liverpool, diz que a descoberta é muito importante, pois mostra o momento em que o parasita cruzou a barreira entre as espécies e isso pode ajudar a ciência a reconhecer – e até evitar – padrões que possam levar ao mesmo cenário no futuro com outras enfermidades.

Há diversas doenças hoje que atingem apenas animais ou que são transmitidas apenas de animais para humanos, mas não de uma pessoa para outra diretamente ou por meio de vetor.

“Todo mundo pensa na malária como uma doença humana, mas ela começou como uma doença que atingia apenas animais”, diz Hemingway. “É um trabalho que mostra porque é tão importante reagirmos à atual tendência de vírus e parasitas animais começando a infectar humanos. Não podemos dar a chance de eles se tornarem permanentemente transmissíveis de pessoa para pessoa.”

Fonte: BBC Brasil

Justiça, Saúde

Tribunal de Justiça Acrescenta PET-Scan Para Diagnóstico de Câncer Pelo SUS

breast_pet_bmc_0208

A Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Norte conquistou na justiça uma decisão que determina ao estado que ofereça e custei exame de PET-Scan para detecção de vários tipos de câncer. Antes, os usuários do Sistema Único de Saúde só podiam realizar o exame para comprovação de quatro tipos de doença com financiamento do Ministério da Saúde. A decisão ocorre em sede de Agravo de Instrumento interposto entre o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte. A Secretaria Estadual de Saúde Pública informou através de ofício que passou a oferecer o serviço.

Após a propositura da ação judicial, “a Secretaria Estadual de Saúde Pública informou, no dia 21 de maio do corrente ano, através de ofício, que contratualizou a realização dos exames na Liga Contra o Câncer e que, atualmente, não existe lista de espera para os usuários”, explica a defensora pública Cláudia Carvalho Queiroz, lembrando que, caso algum usuário não consiga autorização para realização do procedimento, poderá comparecer à Defensoria Pública e ser atendido para averiguação do motivo da negativa.

O exame PET-Scan (ou PET-CT) faz parte do rol de procedimentos para assegurar o diagnóstico de diversos tipos de câncer elencados na Portaria de nº 192/2013 SESAP/RN e na Portaria de nº 1340/2014 do Ministério da Saúde. No entanto, mesmo com previsão nos protocolos, o exame não vinha sendo ofertado pela rede pública de saúde no Rio Grande do Norte por ausência de contratação de prestador.  O problema levou a Defensoria Pública a ingressar com a Ação Civil Pública nº 0835476132016820500. Na ação, foi solicitada ainda a realização do exame para detecção de outros tipos de câncer, além dos apresentados no protocolo. “Em primeiro lugar, o rol de procedimentos médicos da ANS não é exaustivo, além de ser “obrigação do Estado (União, Estados-membros, Distrito Federal e Municípios) assegurar às pessoas desprovidas de recursos financeiros o acesso à enfermidades, sobretudo as mais graves”, destacou o desembargador relator da decisão ao acatar a ampliação da realização do exame para outros tipos da doença mediante requerimento médico.

PET-CT
O PET-CT, OU PET-SACN, é um exame de imagem que utiliza uma substância radioativa (18- Fluordesoxiglicose) para rastrear células tumorais no organismo. A técnica ou exame mais utilizado em oncologia consiste na fusão de imagens geradas pelo PET (Tomografia por Emissão de Pósitrons) com as imagens geradas pela Tomografia Computadorizada.

Fonte: Tribuna do Norte

Governo do Estado, Turismo

Governo do Estado Contrata Holandesa Para Dizer ao Brasileiro Que Venha ao RN

Caras

O Governo do Rio Grande do Norte e suas quebras de paradigmas. A Secretaria Estadual de Turismo – SETUR, a EMPROTUR e o trade turístico, anunciam que trarão a equipe da Revista Caras, comandada por Sabrina Parlatore, cantora, ex-VJ, e modelo para visitar o estado. Até aí tudo bem, é comum de várias gestões trazer programas, revistas, novelas, para divulgação do destino RN.

1527267530656621868913.jpg

A parte mais interessante é a contratação da Digital Influencer holandesa Nienke Helthuis, que tem no YouTube 2 Milhões 831 mil de inscritos, tem no Instagram 662 mil seguidores e no Twitter 79,6 mil seguidores. Ela virá, por conta do Governo do Estado via empréstimo ao Banco Mundial (novamente), e fará conteúdos para o público brasileiro. Além disso, Nienke participará da Mostra Viajar, no início de junho, em São Paulo, e estará no stand do RN, recebendo os visitantes.

2018-05-25_14-50-01

Ou seja, uma holandesa (sem preconceito!) dirá ao brasileiro como é bacana vir ao Rio Grande do Norte, como foi o período dela nas cidades parceiras. Certamente ela não andará por aí por conta própria, como os turistas comuns, afinal não se pode arriscar que um investimento passe pelo medo e o constragimento de ter um celular roubado, ou ouça sobre o medo de quem mora no RN. Isso é o RN, nunca decepciona e quebra a banca negativamente.

Eleições 2018, Política

Senadora Fátima Bezerra Continua Muito Mais Preocupada Com a Política Nacional

img-20180524-wa0115953069258.jpg

Enquanto o Brasil pega fogo, ou quase isso, com as paralisações de várias categorias que reclamam dos altos preços dos combustíveis. Enquanto o RN atravessa há alguns anos o caos financeiro/administrativo, a senadora Fátima Bezerra mantém sua candidatura ao governo entre uma visita e outra aos companheiros que protestam ainda contra a prisão do ex-presidente Lula. Inclusive a senadora pré-candidata gravou um vídeo da Comissão de Direitos Humanos do Senado indo para Curitiba, saber como o ex-presidente estava sendo tratado, e dar o abraço do povo do Rio Grande do Norte. Um abraço financiado pelas diárias e passagens pagas pelo povo brasileiro, por sinal, comissão que não veio ao RN à época do terror em Alcaçuz. Terror dentro de um governo que teve como importante apoio durante a campanha de 2014 a atual senadora e o seu partido, o PT, assim como o PCdoB.

Talvez esse envolvimento mais presente com a política e atos nacionais seja a confiança de quem lidera as pesquisas no RN, de quem se coloca como madrinha dos Institutos Federais, quando na verdade essa era uma política, um projeto, de expansão de cursos técnicos pelo Brasil. A então deputada federal detinha informações privilegiadas do Governo Federal de onde os IFs seriam construídos, e via de regra a contrapartida era da prefeitura ou do Governo do Estado. Ela se antecipava em dar a notícia da próxima construção.

Se as pesquisas confirmarem a vitória de Fátima Bezerra, e com pouca probabilidade de a esquerda vencer essa eleição presidencial de 2018, será interessante observar como fará para unir bancada do estado, aprender a lidar com as burocracias e dificuldades do Executivo potiguar, e além disso, conversar com um novo presidente e tirar o RN do caos que se encontra.

Política

Em Nota, Líder da Juventude Socialista Rebate Ataques a Carlos Eduardo

Com notícias sobre a Operação Cidade Luz envolvendo o nome do ex-prefeito Carlos Eduardo, sob a perspectiva de quem conta o que diz saber como tantas outras delações que acusaram por acusar, sem depois nada provar, a Juventude Socialista do PDT se pronuncia sobre tais acusações ao presidente regional do partido. Segue abaixo a nota:

Um blog de notória ligação com o sistema político do governador do Estado, a quem serve até por subserviência pela presença de familiares ocupando cargos comissionados, volta a publicar mentiras a respeito da honra do ex-prefeito e pré-candidato ao Governo do Estado(PDT), Carlos Eduardo.

Sobre a sua postura correta, prefiro a palavra do Ministério Público- que declarou nada existir a desaboná-lo -, às leviandades de um(pseudo) jornalismo acocorado ao poder.

Aliás, não é de agora, que o sistema político e midiático eletrônico servil, sabe-se lá por quantas razões, ao governador do Estado tenta, sem sucesso, encontrar um ato que desabone a conduta de Carlos Eduardo.

Não encontrou nem vai encontrar.

Mas, se procurar no próprio terreiro, vai encontrar sobrando.

Basta rever no Youtube, edições do Fantástico e do Jornal Nacional sobre JBS, Lava Jato e Dama de Espadas.

É simplesmente desespero. Assunto requentado, perversidade requintada. É simplesmente o fracasso de um governo rejeitado e que nem a opinião publicada e falsa consegue salvar.

Marcos Segundo

Presidente Estadual da Juventude Socialista do PDT/RN

Vice-Presidente da Juventude Socialista Nacional

Eleições 2018, Política

Em Entrevista, Carlos Eduardo Diz que o RN Precisa de Ajuste Fiscal

“No fundo do poço, RN precisa de ajuste para recuperar credibilidade e empregos”, diz Carlos Eduardo.

O pré-candidato do PDT ao Governo do Estado, ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo, disse em entrevista ao Portal e Rádio Potiguar Notícias de Parnamirim nesta quarta-feira(23), que o Rio Grande do Norte terá de passar por um ajuste fiscal e equilibrar as contas para recuperar os empregos perdidos, que chegam a 250 mil segundo estudo da Fiern.

Na conversa com o jornalista Pinto Júnior, Carlos Eduardo criticou a atual gestão peda perda de indústrias importantes como Sulfabril e Alpargatas e atribuiu à falta de integração e de credibilidade do atual governo pela atual crise que atinge todos os setores. “É preciso recuperar os empregos e nenhum grande investidor aplica seu dinheiro num estado mal governado que chegou ao fundo do poço, o que, infelizmente, é a realidade do Rio Grande do Norte, realidade que mudaremos em nosso governo”.

Sobre as alianças partidárias, o pré-candidato afirmou, de forma tranqula, quer as conversas ocorrem sem açodamentos e tudo caminha para a montagem de uma coligação vitoriosa na sucessão estadual.