Eleições 2018, Operações, Política

Veja Traz Novos Documentos Sobre Doação Ilegal a Robinson e Fábio Faria


A Revista Veja deste final de semana traz novas informações comprometedoras sobre a acusação de recebimento de dinheiro não declarado da JBS pelo governador Robinson Faria e o deputado federal Fábio Faria(PSD) durante a campanha eleitoral de 2014.

A Veja teve acesso a 76 novos anexos com novas delações do diretor do grupo, Joesley Batista à Procuradoria-Geral da República. Os nomes de Robinson(grafado Robson) e Fábio Faria, fazem parte do anexo complementar 4, que é juntado ao anexo inicial 35. Segundo outro diretor do grupo, Ricardo Saud, também delator, foram doados R$ 10 milhões não declarados à campanha de Robinson em troca da privatização da Caern.

No último dia 9, o portal G1 divulgou: A empresária Eliane Alves Pereira confirmou à Polícia Federal que recebeu da empresa JBS o pagamento de serviços prestados na campanha de Robinson Faria ao Governdo do Rio Grande do Norte em 2014. A empresária, dona da E. A. Pereira Comunicação Estratégica, entregou à PF uma nota fiscal no valor de R$ 2 milhões emitida para a JBS S/A.

Segundo ela, deste valor, R$ 1,2 milhão é referente ao trabalho de marketing direto na campanha política e o restante é referente a serviços prestados à marca Friboi, da JBS. O valor total foi pago em setembro de 2014 por meio de depósito na conta da empresária. O pagamento não consta na prestação de contas da campanha de Robinson Faria.

“Ela foi contratada para prestar um serviço de marketing e esse serviço foi efetivamente prestado. Se houve uma prestação tinha que haver o recebimento de valores. (…) Se houve um possível caixa 2 isso deve ser apurado pelo Poder Judiciário que é o juízo competente para apurar os fatos”, disse o advogado da empresária, Marcelo Torres.

A informação confirma parte da delação premiada de Ricardo Saud, ex-diretor de relações institucionais da J&F, grupo controlador da JBS. O executivo afirmou que fez doações não declaradas à campanha de Robinson Faria através de pagamentos a empresas de terceiros, dentre elas a de Eliane.